Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
RELAÇÃO ESTREITA

Comunista, China é 'cada vez mais parte do futuro do Brasil', diz Bolsonaro

Criticada pelo presidente durante a eleição pelo seu regime comunista, a China é a nação que mais compra produtos do Brasil. Declaração ocorreu na abertura da reunião do BRICS, em Brasília



jpg_5D17FA8D-27BF-41F6-9B1F-AE123A328968.jpg Foto: Alan Santos / PR
News thumb afp d084093c bf21 4ede 853c 0cfb6068260d AFP
14/11/2019 às 09:28

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (13), em Brasília, ao  presidente chinês, Xi Jinping, que a China é "cada vez mais faz parte do futuro do Brasil", mostrando sinais de uma relação mais pragmática entre o país sul-americano e seu principal parceiro comercial.

"A China cada vez mais faz parte do futuro do Brasil", afirmou Bolsonaro após uma reunião com Xi à margem da cúpula anual das potências emergentes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).



"Mais do que ampliar, queremos diversificar nossas relações comerciais", acrescentou o anfitrião da cúpula, que inclui um fórum de negócios e do qual também participam o presidente russo, Vladimir Putin, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa. 

Xi, cujo país está travando uma guerra comercial com os Estados Unidos, disse aos empresários que "o crescente protecionismo" prejudica a economia e o comércio global.

Putin respaldou o dirigente chinês ao afirmar que "o protecionismo está prosperando" como resultado da desaceleração da economia mundial.

Relação mais pragmática com a China 

O relacionamento de Bolsonaro com a China nem sempre foi tão harmonioso.

Durante a campanha à presidência, no ano passado, Bolsonaro acusou a China de querer "comprar o Brasil". Essa posição gerou pressões dos setores agrícola e de mineração, que precisam manter um bom relacionamento com o principal parceiro comercial do país. No mês passado, ele viajou para Pequim e se encontrou com Xi.

Sua aproximação de Pequim também envolve um esforço de equilíbrio diplomático, já que Bolsonaro é um admirador fervoroso do americano Donald Trump, com quem compartilha a rejeição do multilateralismo e das ideologias de esquerda.

A China é o destino de mais de 27% das exportações brasileiras, principalmente soja e minério de ferro. O Brasil também é um destino importante para investimentos chineses. Os projetos com investimentos do país asiático de 2007 a 2018 totalizam 102,5 bilhões de dólares, com 57,9 bilhões já concluídos.

Na noite desta quarta, diante de um grupo empresários, Bolsonaro disse que seu governo quer "expandir e facilitar o ambiente de negócios cada vez mais".

"As oportunidades são muitas, o Brasil nunca esteve no nível em que está hoje (...). O Brasil está no caminho certo", acrescentou. 

Após a reunião bilateral com Xi Jinping, Bolsonaro também agradeceu seu apoio durante a crise diplomática desencadeada em agosto com os países europeus por conta da proliferação de incêndios na Amazônia. 

"A China apoia os esforços do governo brasileiro para combater desastres na floresta amazônica e está confiante na capacidade do Brasil de enfrentá-los", declarou Xi.

"Foi um gesto de grandeza que nos fortaleceu muito", respondeu o presidente brasileiro, que tem sido fortemente questionado sobre o enfraquecimento das agências de controle ambiental e seu apoio à expansão das atividades de mineração e agricultura em áreas protegidas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.