Publicidade
Cotidiano
DISPUTA

Conclusão da BR-319 vira mote de campanha de candidatos do AM ao Senado

Candidatos mais bem colocados, Alfredo Nascimento, Eduardo Braga e Vanessa Grazziotin têm utilizado integração da rodovia como estratégia para atrair eleitorado amazonense 16/09/2018 às 14:08
Show br 319 955141c9 6cd7 4c05 9f1f 57e271bba289
Com 885 km de extensão, a BR-319, que já tem metade de seu percurso asfaltado, foi fechada em 1988 por falta de manutenção (Foto: Arquivo/AC)
Antônio Paulo Brasília (SUCURSAL)

A BR-319, rodovia que liga Manaus a Porto-Velho desde os anos de 1970, entrou na disputa pelas duas vagas ao Senado Federal. Nos últimos dias, os candidatos mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto no Amazonas têm pautado a “Estrada da Integração” como o principal mote de suas campanhas no rádio, TV e redes sociais.

Na quarta-feira, o deputado federal Alfredo Nascimento (PR-AM) e o senador Eduardo Braga (MDB-AM) vieram a público falar sobre a rodovia. A senadora Vanessa Grazziotin tem postado com frequência vídeos e mensagens falando de suas ações em defesa da BR-319.

Em um vídeo publicado nas redes sociais, o ex-ministro dos Transportes nos governos Lula e Dilma afirma: “A reconstrução da BR-319 é minha bandeira há muitos anos. Não faço isso só no período eleitoral”. No post “A verdade sobre a BR-319 que você precisa saber!”, traz a informação de que Alfredo foi o único parlamentar do Amazonas que destinou recursos para a reconstrução da rodovia que liga Manaus a Porto Velho e ao restante do Brasil. “Já foram asfaltados mais de 400 quilômetros. O trecho do meio, de aproximadamente 400 km, aguarda apenas a autorização ambiental para que rodovia seja completamente revitalizada”, diz a peça publicitária de campanha.

Essa disputa política entre os candidatos ao Senado foi visível na última audiência pública, realizada em 4 de setembro deste ano, na Comissão de Infraestrutrua e Serviços, quando três ministros de Estado foram convocados a prestar esclarecimentos acerca das obras de manutenção, conservação e recuperação da BR-319, bem como questões relacionadas aos estudos de impacto ambiental necessários para a realização das obras. A reunião contou com a participação dos ministros da Justiça, Torquato Jardim; do Meio Ambiente, Edson Gonçalves Duarte e do ministro Interino dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Hebert Drummond.

Na audiência pública, o deputado Alfredo Nascimento lembrou que foi ele quem construiu mais da metade da rodovia, quando foi ministro dos Transportes (2003-2010). E criticou o Parlamento por não receber apoio político. “Quando se fala da BR-319, parece que nada foi construído, mas mais de 60% dela, dos 958 km, estão prontos. Somente a parte do meio, infelizmente, inventaram exigir estudo de impacto ambiental em uma rodovia implantada”, disse o deputado federal.

Incomodada com a fala do adversário na disputa por uma das vagas ao Senado, Vanessa Grazziotin reagiu: “Se houve empenho ou não do Poder Executivo? Eu não posso falar; falo pelo Parlamento porque não estou no Senado só há oito anos. Estive na Câmara dos Deputados por 12 anos e não se passou um ano sequer em que nós não tivéssemos feito audiência pública sobre a BR-319. Então, houve, sim, um grande empenho do Parlamento. Não é verdade dizer que o Parlamento nunca apoiou uma conclusão para que nós tivéssemos a BR-319 concluída”, afirmou Vanessa.

Rodovia vai reduzir preço dos alimentos

O senador e candidato à reeleição, Eduardo Braga (MDB), defendeu ontem, em entrevista a um programa de rádio local, a recuperação da BR-319 como caminho para reduzir o preço da cesta básica e gerar novas opões de emprego e renda no Amazonas.

Segundo Braga, o transporte está entre os principais fatores que encarecem o valor dos alimentos consumidos pelos amazonenses. Contudo, ele avalia que o custo cairia consideravelmente a partir de uma alternativa terrestre que facilitasse a interligação do Estado com outras regiões do País, como a BR-319.

“A recuperação da BR-319 significa que o feijão, arroz e todos os outros alimentos que chegam à mesa dos amazonenses, oriundos de outras regiões, chegarão mais baratos. A BR-319 não apenas interliga, mas conecta do Amazonas com uma nova realidade da economia para geração de emprego e renda”, disse o senador ressaltou que a logística representa um desafio para os produtores.

Impactos

A conclusão em 90 dias dos estudos de impacto ambiental e das implicações sobre as comunidades indígenas, das obras da BR-319, foi a exigência feita pelo presidente da Comissão de Infraestrutura e Serviços, senador Eduardo Braga e os demais senadores membros da CI. Esse prazo foi estabelecido para que a Força-Tarefa, a ser composta pelos Ministérios da Justiça, Meio Ambiente, Transportes e órgãos ligados às obras da rodovia, como o Ibama, o Dnit e Funai, dê uma resposta ao Senado.

Publicidade
Publicidade