Publicidade
Cotidiano
MEDIDAS

Contra "prejuízos à gestão pública", MPC quer que Governo agilize transição

Solicitação dos procuradores do MPC foi feita ao Tribunal de Contas, que ainda avalia a situação. José Melo será substituído, interinamente, por David Almeida até as novas eleições 05/05/2017 às 15:18
Show procurador carlos alberto
Procurador Geral de Contas, Carlos Alberto Almeida, é um dos que subscreve o pedido (Foto: Divulgação)
acritica.com* Manaus (AM)

Em virtude da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de cassar o governador José Melo e o vice, Henrique Oliveira, e determinar a realização de novas eleições do Estado, o Ministério Público de Contas (MPC) solicitou, nesta sexta-feira (5), ao presidente do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), conselheiro Ari Moutinho Júnior, nesta sexta-feira (5), que notificasse o governo do Estado para a realização imediata dos procedimentos de encerramento de mandato e transição, conforme prevê resolução nº 11/2016 do TCE-AM.

O documento do MPC, entregue no início da tarde, está em análise pelo conselheiro-presidente Ari Moutinho Júnior.

Segundo o procurador-geral do MPC, Carlos Alberto de Almeida, o pedido, em caráter emergencial cautelar, visa evitar, pelas secretarias e órgãos da administração indireta, prejuízos à gestão pública e governança, e aos princípios da transparência, prestação de contas e responsabilidade fiscal, conforme estabelece a Constituição Federal, a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei das Eleições.

Conforme a resolução nº 11/2016, o gestor atual deve apresentar ao futuro uma série de itens das áreas financeira, contábil, patrimonial e de pessoal, como termos de conferência de saldos, conciliações bancárias, demonstrativos de restos a pagar, balanços financeiros, entre outras documentações importantes da administração pública.

Ainda conforme a resolução, todo o andamento da comissão, desde a instalação até a finalização dos trabalhos devem ser informados ao TCE e ao Ministério Público por meio de relatórios, bem como as respectivas omissões detectadas ao longo do processo de transição.

Vale ressaltar que a resolução do TCE, que atinge todos os jurisdicionados que prestam contas à Corte de Contas, impede, por exemplo, que documentos importantes sejam extraviados na transição ou que o gestor que está deixando a administração saia sem fornecer as informações necessárias ao gestor que chega.

*Com informações de assessoria

Publicidade
Publicidade