Publicidade
Cotidiano
Notícias

Cooperativismo financeiro: boa alternativa aos juros altos

Muitos usuários de bancos reclamam das taxas e dos juros salgados. Imagine poder ter acesso a todos os produtos de um banco, mas com juros menores e ganhos no final do ano? 20/09/2014 às 20:01
Show 1
O diretor financeiro da Sicoob na Região Norte, Edson Soares, mostra alguns dos produtos disponibilizados pelas cooperativas de crédito
Juliana Geraldo Manaus (AM)

Elas aparecem como alternativa para as instituições bancárias tradicionais. Com os mesmos serviços dos bancos, juros mais em conta e a possibilidade de dividir ganhos no final do ano, as cooperativas financeiras ou de crédito têm ganhado espaço no sistema financeiro nacional e a simpatia de muitas pessoas que tem aderido à modalidade financeira.

Na região Norte, a adesão ainda é pequena. Apenas 3% das aproximadamente 1.200 cooperativas espalhadas pelo País se concentram na região e menos de 1% estão no Amazonas. O número contrasta com outras regiões como a Sudeste que possui mais de 40% das unidades de cooperativismo do Brasil.

Apesar do percentual ainda tímido, segundo o diretor financeiro do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) na Região Norte, Edson Quevedo Soares, o cenário pode se modificar nos próximos anos. A expectativa é de que o número de cooperativas no Norte chegue a 10% do total nos próximos 10 anos. “Para tanto precisamos de informação porque, embora seja vantajoso, o brasileiro e sobretudo o nortista, desconhece as características do setor.

Diferenciais

O executivo explica que assim como os bancos, a cooperativa de crédito é uma instituição financeira, autorizada e fiscalizada pelo Banco central fiscalizada pelo BC. “A diferença é que, ao contrário dos bancos que são sociedades de capital, a cooperativa é uma reunião de pessoas, com o objetivo comum de movimentar seus recursos a um custo financeiro menor do que o praticado no mercado”.

Outra diferença, conforme Soares é de que no cooperativismo, a decisão não é de quem tem mais capital, e sim, feita em uma assembleia de associados. “Os cooperados não são clientes. São sócios. Como sócios, eles utilizam produtos e serviços e geram uma riqueza (sobras) que são distribuídas no final do exercício, na proporção da movimentação financeira que cada um fez e não do capital que cada um possui”, esclarece.

Dúvidas frequentes

Um dos principais motivos para a modalidade ser pouco difundida, segundo o diretor financeiro, são as dúvidas relacionadas aos serviços oferecidos.

Entre as mais comuns está a ideia de que é preciso de um grande capital para se associar a uma cooperativa. “O valor para participar pode ser a partir de R$ 100. Se for uma cooperativa para trabalhadores rurais, o valor será um. Se for para grandes empresários, será outro”, explica Soares.

Outro receio é sobre a disponibilidade de produtos como cartões de crédito e talões de cheque. “Os mesmos produtos dos bancos são oferecidos pelas grandes cooperativas”, garante.

10º Concred em Manaus

Entre os dias 10 e 12 de setembro, Manaus recebeu o 10º Congresso Brasileiro de Cooperativismo de Crédito (Concred), no Tropical Hotel. Com um público aproximado de 1,4 mil pessoas, o evento buscou, por meio de palestras e atividades, esclarecer dúvidas e fortalecer o segmento formado pelas cooperativas que movimentam, hoje, em torno de US$ 70 bilhões em ativos no País,oriundos de 6 milhões de associados.

De acordo com o diretor financeiro da Siccob, na Região Norte, Edson Soares, Manaus foi escolhida para representar o Norte, região que menos possui cooperativas de crédito no Brasil.

Entre os destaques do evento, estiveram as palestras do especialista em finanças e líder em sustentabilidade, Andrew Savitz, da jornalista, Mara Luquet, do vice-presidente da Liga das Cooperativas de Crédito de Wisconsin (Estados Unidos) Thomas Liebe e do diretor técnico do Sebrae Nacional, Carlos Alberto dos Santos.

Outro diferencial foi a Feira Cooperativista de Negócios, que contou com a participação de expositores de diversas instituições e fornecedores de insumos e potenciais parceiros do ramo.

Publicidade
Publicidade