Publicidade
Cotidiano
MEIO AMBIENTE

COP25 será realizada no Chile em 2019; inicialmente a conferência seria no Brasil

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse, em novembro, que participou diretamente da decisão de retirar o Brasil como sede do evento sobre mudanças climáticas 15/12/2018 às 18:01
Show reuters kacper pempel c41e9e38 10b9 48b7 b7cf f4665d04b349
Foto: Arquivo A Crítica
Agência Brasil Brasília (DF)

O Chile será o país-sede da Conferência das Partes da Convenção do Clima das Nações Unidas, a COP25, de 11 a 22 de novembro de 2019. Inicialmente, a conferência estava prevista para ocorrer no Brasil. Mas o governo brasileiro abriu mão da organização do evento por "restrições fiscais e orçamentárias".

No último dia 28 de novembro, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse que teve participação na decisão do governo brasileiro de retirar a candidatura para sediar a COP-25. Na época, Bolsonaro disse que queria evitar controvérsia entre o governo dele e setores ambientalistas e alegou restrições orçamentárias.

O ministro do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica, Carlos Manuel Rodríguez, afirmou durante a COP24, em Katowice, na Polônia, que os países latino-americanos decidiram apoiar o Chile para que seja o anfitrião da próxima edição da cúpula. A organização do evento fica sempre a cargo de uma região diferente, de maneira rotativa, e no ano que vem será a vez da América Latina – neste ano, a cúpula acontece no Leste Europeu.

"A Costa Rica e outros países da região concordaram em apoiar o Chile para que receba a COP25", disse Rodríguez, que ressaltou a importância de que a cúpula seja mantida na América Latina, apesar da decisão do governo brasileiro.

Além disso, ainda de acordo com o ministro, a Costa Rica será a sede de uma reunião prévia à COP25 em outubro de 2019. "Chile e Costa Rica deram um passo à frente, depois que o Brasil decidiu não organizar a COP25, para fazer o nosso melhor esforço para manter a COP25 na América Latina", ressaltou.

Para Rodríguez, Chile e Costa Rica têm a "força moral para levar a luta contra a mudança climática ao próximo nível, a plena implementação do Acordo de Paris de 2015".

Publicidade
Publicidade