Publicidade
Cotidiano
Notícias

CPI do assassinato de jovens discute morte, violência e tráfico de drogas no Amazonas

Brasil é vice-campeão mundial em assassinato de jovens, segundo a Unicef, atrás apenas da Nigéria. De 1990 a 2013, aumentou mais de 50%  número jovens mortos 04/09/2015 às 12:05
Show 1
A audiência pública da CPI ocorreu na manhã desta sexta-feira (4) no plenário da Assembleia Legislativa do Estado
joana queiroz ---

Políticos, autoridades e movimentos sociais participaram, na manhã desta sexta (4), em Manaus, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga o assassinato de jovens no Brasil. A audiência pública ocorreu no plenário da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) e reuniu integrantes da Comissão, incluindo o relator da CPI, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que discute os números dessa realidade no Amazonas.

O senador Omar Aziz (PSD-AM) pediu atenção especial para a fronteira do Amazonas com os países que produzem droga. De acordo com o senador, as drogas continuam entrando pelas fronteiras porque estão desguarnecidas, e o problema merece maior atenção. “Peço  que o dinheiro para o investimento na segurança não seja retido, porque precisamos investir em tecnologias para combater o crime nas causas e consequência”, disse Aziz.

Índices altos de violência

Segundo a Fundação das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Brasil é vice-campeão mundial em assassinato de jovens, atrás apenas da Nigéria. De 1990 a 2013, o número de assassinatos de crianças e adolescentes até 19 anos passou de 5 mil para 10,5 mil por ano, ou seja, uma média de 28 por dia.

Morte de PM será discutida  

A morte da policial militar Deusiane Pinheiro também será tratada na audiência pública. A PM foi encontrada morta com um tiro na cabeça nas dependências do Batalhão Fluvial da PM no dia 1º de abril deste ano. Inicialmente, a morte dela foi dada como suicídio, mas a família sustentava que ela vinha sendo ameaçada de morte por yn colega de corporação. Hoje, a família vive com medo e diz ser constantemente ameaçada de morte.

Publicidade
Publicidade