Publicidade
Cotidiano
Notícias

Cresce 12% mão de obra técnico científica na Região Norte

Maior índice de inovação em biotecnologia e aumento de pessoal técnico-científico são verificados nos estados do Amazonas, Pará e Rondônia 07/01/2015 às 17:05
Show 1
Aumento de cursos universitários de graduação e pós-graduação tem ajudado a melhorar os indicadores do Norte
ACRITICA.COM Manaus(AM)

A Região Norte apresentou um crescimento de 12% em relação à mão de obra técnico-científica. Esse número é maior do que a média nacional, que foi de 10%  no período de 2011 a 2013. Os dados estão na última edição dos Cadernos de CT&I Amazonas, com o título “Inovações em Biotecnologia e Nanotecnologia no Brasil a partir da Pesquisa de Inovação (Pintec) 2011 – o Pessoal Ocupado Técnico-Científico (POTec) na Região Norte”.

Esse crescimento do POTec chama a atenção, segundo Moisés de Andrade Coelho, chefe do Departamento de Relações Interinstitucionais e Indicadores de CT&I (DIN), da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM) e coordenador da pesquisa, pelo fato da região possuir pequena parcela de participação de mão de obra qualificada, se comparada às demais regiões do País.

As pesquisas tiveram como objetivos construir cenários de difusão das atividades relacionadas ao uso, produção, pesquisa e desenvolvimento (P&D) da biotecnologia e nanotecnologia, a partir das principais características conceituais, metodológicas e operacionais da Pintec, uma vez que tecnologias emergentes têm despertado interesses tanto das empresas quanto dos formuladores de políticas, que as veem como importantes instrumentos propulsores de inovação, crescimento e desenvolvimento.

 DESTAQUE

O Amazonas aparece na 13ª colocação, com 30.677 pessoas técnicas ocupadas, colocando o Estado em destaque em relação a outras unidades federativas. Na Região Norte, Amazonas e Pará concentram 75% do POTec. O Pará com 29.548 profissionais atuando nestes segmentos.  Em seguida, evidencia-se Rondônia como terceira força na região, especialmente por conta das hidrelétricas, seguido pelo Tocantins, com elevado crescimento nos últimos anos.

A Região Sudeste concentra aproximadamente 60% do POtec brasileiro, evidenciando sua importância para o desenvolvimento industrial e tecnológico do Brasil.

Os dados apontam para um crescimento de pessoal técnico-científico não só no Amazonas, mas também nos demais Estados da região, acima da média nacional.

Na escolaridade, a Região Norte possui o maior percentual de pessoal com mestrado e doutorado entre todas as regiões.

De acordo com Moisés Coelho, é essencial que o Norte invista mais na industrialização e nos serviços tecnológicos, já que CT&I não têm a mesma força no Comércio e Serviços da região. “Existe essa diferença muito grande entre as regiões. As áreas de Serviço e Comércio são fortes para nós, mas não é o tipo de demanda exigida pelo POTec. Não é esse tipo de profissional solicitado”, ressalta.

O principal investimento a ser feito pela Região Norte, ressalta Coelho, deve ser nas áreas de base tecnológica, com aquisição de mão de obra qualificada. “São setores em que a inovação predomina, faz parte do processo deles as áreas de Biotecnologia e Nanotecnologia. O destaque do Amazonas se dá predominantemente por conta do Polo Industrial de Manaus, e o Pará se sobressai devido ao extrativismo. São duas economias dinâmicas que se destacam nesse cenário, mas têm como melhorar, e muito”, disse.

Biotecnologia representa avanços tecnológicos em segmentos como alimentos, saúde e serviços, a partir do uso da biodiversidade amazônica. “São áreas que podem sofrer reflexos positivos de desenvolvimento. Considero que seria um avanço fazer uso da biodiversidade para desenvolver produtos”, avalia o coordenador, para quem não é de se admirar com a importância da Região Sudeste como maior detentora de pessoal técnico- científico. “Não é coincidência que a Região esteja no topo. O trabalho é diretamente ligado à pesquisa e desenvolvimento nas regiões Sudeste e Sul. É natural que sejam as mais desenvolvidas em termos de inovação”, destacou.

REMUNERAÇÃO

No quesito remuneração, Amazonas e Roraima são os Estados da Região Norte que melhor remuneram os profissionais dessas áreas, com salários superiores a 20 salários mínimos. Em relação ao gênero, porém, ainda há diferença entre os salários de homens e de mulheres no Amazonas, apesar do mesmo nível de escolaridade.

Segundo o estudo, a discussão da carência da mão de obra qualificada no Brasil passa pela existência de profissionais de carreiras técnico-científicas em número suficiente para suprir as demandas da indústria, construção civil e das outras áreas envolvidas no processo de desenvolvimento científico e tecnológico do Amazonas.

 CADERNOS DE CT&I AMAZONAS

Periodicamente a SECTI-AM apresenta análises de informações de CT&I divulgadas em bases de dados científicas com foco nos resultados em níveis regional, nacional e internacional. Com essas  observações torna-se possível se ter atualizado o posicionamento do  Amazonas no cenário técnico-científico e de inovação. As pesquisas e análises são coordenadas pelo DIN/SECTI-AM, e visam fomentar discussões sobre temas e aprimorar as políticas públicas de CT&I.

A coleção Cadernos de CT&I Amazonas está disponível ao público na sede da SECTI-AM, localizada na avenida Mário Ypiranga Monteiro (antiga rua recife), 3.280 – Prédio I, bairro Parque Dez, zona Centro-Sul de Manaus, ou no Portal CIÊNCIAemPAUTA.


Publicidade
Publicidade