Publicidade
Cotidiano
Notícias

Criminosos do AM utilizam tatuagens para mostrar que tipo de delito cometem

Homicidas, latrocidas, estupradores, traficantes entre outros “batizaram” certos desenhos para identificá-los no meio da delinquência 08/06/2015 às 10:44
Show 1
Assaltante Paulo David tem uma gueixa no corpo. Desenho é ligado a prostituição
Fábio Oliveira ---

A tatuagem é usada para expressar sentimentos ou homenagear um fato ou até mesmo outra pessoa. Dentro da sociedade, cada uma delas possui seus diferentes significados.

No mundo do crime não é diferente. Homicidas, latrocidas, estupradores, traficantes entre outros “batizaram” certos desenhos para identificá-los no meio da delinquência. Através de suas tatuagens, os criminosos passaram a mostrar sua identidade. Entretanto, essa forma de comunicação só é entendida quem está conectado ao mundo crime.

O delegado Ivo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), informou que em Manaus já se deparou com muitas tatuagens de carpa, que é um peixe de água doce. “Aqui se vê muita gente com tatuagem de Carpa, mas não quer dizer nada. A tatuagem sim é um indicativo que futuramente pode vim a identificar uma pessoa envolvida em algum delito”, esclareceu. Segundo uma fonte da Polícia Militar, a carpa é uma característica da facção criminosa Família do Norte (FDN).

No Rio de Janeiro, a mesma tatuagem é associada ao Primeiro Comando da Capital (PCC). De acordo com fontes, os criminosos batizaram dentro dos presídios do país tatuagens comuns, como palhaço, carpa, caveira, teia de aranha, pistola ou revólver, pomba, imagem católica, com outros significados.

Na capital amazonense e em outras cidades do Brasil, o mais comum entre os presos é a tatuagem de palhaço, que significa que a pessoa é matador de policial civil ou militar.

O delegado Ivo Martins, da DEHS, explicou que isso é uma lenda e que não há nada comprovado. “Até hoje não sei o porquê que o palhaço significa que é matador de policial, mas, é claro, que se eu fizer uma abordagem e um dos abordados estiver usando uma tatuagem de palhaço, claramente vou questioná-lo sobre isso, mas, mesmo assim, ainda não pode ser nada”, explicou. Segundo fontes da Polícia Civil, o palhaço também é usado por criminosos praticantes de crimes de roubo e furto.

Deturpado

Entre o duplo significado está a da caveira que simboliza a morte. Tatuada em um criminoso significa dizer, segundo informações de fontes policiais, que este já praticou crime de homicídio. A Cruz que é símbolo do catolicismo e carregada por Jesus Cristo é usada pelo delinquente como forma de identificar que é de alta periculosidade. A teia de aranha, bastante conhecida, é vista pelos detentos como forma de expressar sentimento de perda de um comparsa. A folha de maconha é atribuída a pessoas ligadas ao tráfico de drogas. Até a imagem de Nossa Senhora de Aparecida é usada pelos criminosos. Eles batizaram a santa para marcar os latrocidas (que roubam e, em seguida, matam) e os homicidas (pistoleiros declarados). As informações são de estudos traçados com os delitos que os criminosos cometeram e fontes das polícias Civil e Militar da capital amazonense.

No dia 6 de maio deste ano, o corpo de um homem não identificado foi encontrado em uma prainha, na comunidade 11 de Maio, bairro Colônia Antônio Aleixo, Zona Leste de Manaus. A vítima possuía uma tatuagem de palhaço no corpo.

Nanico e seu enorme jacaré

O traficante e homicida Alan de Souza Castimário, vulgo “Nanico”, pistoleiro do líder da Família Do Norte (FDN), José Roberto Fernandes, o “Zé Roberto da Compensa”, possui uma tatuagem de um grande jacaré em suas costas. Segundo fontes da polícia, o desenho significa dizer que é um matador sem sentimento. Fato que se concretiza, pois Nanico é suspeito de executar pelo menos 13 desafetos, rivais da facção, entre eles o ex-líder do PCC em Manaus, Frank Oliveira da Silva, o “Frankizinho do 40”, que foi esquartejado e depois teve os restos mortais jogados em malas, no Rio Negro. Nanico chegou a fugir da prisão no ano passado, mas foi encontrado e reconduzido ao Compaj.



Publicidade
Publicidade