Publicidade
Cotidiano
Defesa

Cunha vai pedir que CCJ anule votação em que Conselho de Ética aprovou cassação

Cunha alegou que a votação nominal foi “estranha”, que terá que ser refeita e que o relator Marcos Rogério (DEM-RO) não poderia continuar no cargo desde que deixou o PDT, que seria o detentor da vaga 21/06/2016 às 14:26
Show 1026768 df 21062016  dsc1847
O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, reafirmou que não vai renunciar ao cargo (José Cruz/Agência Brasil)
Carolina Gonçalves – Agência Brasil Brasília

A dois dias do fim do prazo para entrar com recurso a fim de tentar reverter o resultado da votação do Conselho de Ética que aprovou sua cassação, o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), antecipou argumentos que deve apresentar à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Cunha vai pedir a anulação do processo alegando que a votação nominal foi “estranha” e terá que ser refeita e que o relator Marcos Rogério (DEM-RO) não poderia continuar no cargo desde que deixou o PDT, que seria o detentor da vaga.

As declarações de Cunha foram dadas em uma entrevista coletiva marcada pelo próprio deputado no Hotel Nacional, em Brasília, e suscitaram reações imediatas na Câmara. Poucos minutos depois da entrevista, o relator do processo e o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), rebateram as acusações.

“A vaga que ocupei desde o início do processo continua sendo do PDT. Não há qualquer impedimento sobre minha posição no conselho, ou como relator”, disse Rogério, lembrando que sua antiga legenda não reivindicou a vaga quando houve a migração com a janela partidária. Atualmente no DEM, Rogério disse que, a cada dia, Cunha perde força na Casa e que o recurso não deve prosperar na CCJ.

“Estamos diante de um personagem da política muito habilidoso e preparado com as palavras, mas não vejo qualquer possibilidade de avanço do recurso. Tivemos todo o cuidado para preservar o processo”, afirmou o relator.

Araújo nega manobra

Outro alvo das acusações de Cunha é Araújo. Além de afirmar que o presidente do Conselho de Ética errava “propositalmente”, que adotou manobras como o adiamento do primeiro dia previsto para a votação do parecer, quando percebeu a possibilidade de o relatório ser rejeitado, e que tinha interesse em postergar o processo até 2018.

José Carlos Araújo afirmou que, se houve manobra, foi feita dentro do que permite a lei. Foi Cunha quem adotou manobras protelatórias, disse Araújo.

Ao rebater a afirmação de Cunha de que Jaques Wagner, então ministro da Casa Civil no governo Dilma Rousseff, ofereceu apoio do PT no colegiado, colocando à disposição, inclusive, o “controle” sobre o presidente do conselho, José Carlos Araújo afirmou que não pode controlar o que dizem Jaques Wagner e Cunha, mas garantiu que não existe tal controle.

Publicidade
Publicidade