Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
indi.JPG
publicidade
publicidade

ENSINO SUPERIOR

Curso de licenciatura da Ufam investe na formação de professores indígenas

Criado em 2008, graduação incluiu conhecimentos tradicionais de cada etnia e já está sendo implantado em sete polos no Amazonas


27/05/2018 às 09:40

A existência do curso de licenciatura em formação de professores indígenas, implantado em 2008 na Universidade do Estado do Amazonas (Ufam), é uma conquista dos próprios índios e que vem se solidificando como um verdadeiro marco para um povo que acumulou tantas perdas nos últimos séculos.

A ideia para a criação do curso partiu dos anseios da Organização dos Professores Indígenas Mura (Opim), que se juntou à Ufam e, num protagonismo compartilhado, elaborou a licenciatura de formação de profissionais da educação para atuação do 6º ao 9º anos do Ensino Fundamental e no Médio em três grandes áreas do conhecimento: para Letras e Artes, Ciências Humanas Sociais e, Exatas e Biológicas.

A turma Mura, por exemplo, recebeu o aprendizado um mês em Manaus e o restante no Município de Autazes, a 84 quilômetros de Manaus. E há duas turmas para colar grau: de Sateré e Mundurucus em Maués, em junho. No total há sete polos com cursos em desenvolvimento no Estado pela Ufam.

Turmas

A primeira turma do curso reuniu 53 indígenas Mura e formou-se em Autazes em sua quase totalidade em 2013 com 48 concluintes, nos anos seguintes mais quatro e no último dia 14, formou-se a última professora: Luzia Pacheco, da aldeia São Félix, de Autazes, que já atua junto a outros indígenas da cidade.  

Tudo levando em conta a máxima de unidade e companheirismo do filme “Nenhum a menos”, um drama chinês de 1999 do diretor Zhang Yimou. É o que lembra a professora do departamento de Educação Escola Indígena da Ufam, mestre Elcilei Faria dos Santos, que atua em disciplinas da área pedagógicas e de fundamentos da educação, estágio e pesquisa - atualmente ela faz um doutorado.

publicidade

“Os indígenas são os participantes do processo todo provocando uma construção de elaboração do curso. Deixou-se de ser uma turma especial para expandir para outros povos”, explicou a mestre.

“O ensino superior, para mim, marca uma das etapas de lutas que a Organização dos Professores Indígenas Mura (Opim) tem conquistado. Uma conquista de muita união por uma educação que viesse valorizar a filosofia de Educação Escolar Indígena Mura”, disse o professor e egresso do curso Alcilei Avale Neto, um indígenas da etnia Mura que esteve presente nas conversações para a criação da importante atividade universitária.

Segundo ele, entre outras particularidades, “o curso traz uma resposta a essa ansiedade dos povos indígenas terem uma formação superior para atuar nas suas escolas, coisa que há 10 anos não havia essa possibilidade”.

Recursos escassos

Um “gargalo” que prejudica a realização do curso para indígenas na Ufam é o valor do financiamento destinado para transporte, alimento e diária de passagem dos docentes: hoje, a verba federal é de R$ 900 mil, considerada pela coordenação e professores do curso muito aquém do esperado. Ano passado era R$ 1.600.000

“Estamos fragilizados pelo corte de recursos em Educação, que não chegam em dia. Ano passado, por exemplo, chegou em agosto”, diz Jonise Nunes, coordenadora do curso.

publicidade
publicidade
'Aula Digital' apresenta primeiros resultados e chegará a mais escolas neste ano
Adesão à greve na Educação chega a 60% dos municípios, diz Sinteam
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.