Publicidade
Cotidiano
VENEZUELA

Delegação da Venezuela e dos EUA vai à fronteira ver ajuda humanitária

O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, oposição ao governo de Nicolás Maduro, faz campanha para angariar ajuda humanitária internacional 18/02/2019 às 09:21
Show 1 venezuela politics 99461c6d 4cb8 4f4d b1c1 a906881afbbb
Foto: Agência Brasil
Agência Brasil Brasília (DF)

Uma delegação parlamentar da Venezuela e dos Estados Unidos, liderada pelo senador republicano norte-americano Marco Rubio, visitou a cidade colombiana de Cúcuta, escolhida para centralizar a ajuda humanitária destinada à população venezuelana. Pelo Twitter, Rubio reclamou da presença de contentores, impedindo a passagem das doações.

“Na fronteira. Esses contentores atrás de nós foram postos ali por um regime criminoso e terrorista. Não vai funcionar. A comida e os produtos médicos chegarão ao povo”, afirmou Marco Rubio nas redes sociais.

O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, oposição ao governo de Nicolás Maduro, faz campanha para angariar ajuda humanitária internacional. Porém, Maduro resiste à campanha, alegando que há uma orquestração contra seu governo para organizar uma intervenção militar no território venezuelano.

Só em Cúcuta, segundo o senador norte-americano, há mais de 300 toneladas de alimentos e medicamentos “prontos para serem entregues ao povo venezuelano”. Crítico do governo Maduro, Marco Rubio se refere ao presidente venezuelano como ditador e responsável por um regime criminoso e terrorista.

“A Família Criminal de Maduro faz todo o possível para que a ajuda não chegue às pessoas. Isso é pura maldade”, reagiu, nas redes sociais, Marco Rubio, que se reuniu com integrantes da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, que é oposição a Maduro.

O senador foi à ponte Simón Bolívar, entre Venezuela e Colômbia, com os parlamentares venezuelanos. “Conversamos sobre a entrega de ajuda [humanitária], eleições livres e justas e a reconstrução da Venezuela, depois que Maduro e seus aliados saiam. Eu lhes disse para não perderem a esperança”, reiterou o norte-americano.

Publicidade
Publicidade