Publicidade
Cotidiano
REFORÇO

Delegacia de Homicídios de Manaus vai reforçar investigação de morte de cantor

Polícia espera que imagens de câmera de segurança ajudem a identificar o autor do homicídio ocorrido em Codajás, durante a Festa do Açaí 01/05/2017 às 05:00
Show jr1
Cantor foi assassinado em Codajás, neste sábado (Foto; Reprodução)
Kelly Melo e Dani Brito Manaus (AM)

Uma equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) embarca hoje para o Município de Codajás (distante 297 quilômetros em linha reta de Manaus) para auxiliar a delegacia daquela cidade nas investigações sobre o assassinato do cantor de axé Melvino de Jesus Júnior, 42, líder do grupo musical “Júnior e banda”. O crime aconteceu no último sábado, durante a Festa do Açaí.

O diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI) da Polícia Civil, Mariolino Brito, informou que as investigações estão em andamento e que a equipe da DEHS, composta por um delegado, um escrivão e dois investigadores, vão ajudar a identificar e prender o homem que cometeu o crime.

Brito também informou que a Polícia Civil solicitou as imagens de câmeras de segurança de uma loja que fica próximo ao hotel onde Júnior foi assassinado. “Muitas pessoas viram o que aconteceu e a gente espera que através dessas imagens consigamos identificar o autor do crime e que as pessoas o reconheçam”, afirmou Mariolino Brito, ressaltando que Júnior foi morto pelas costas. De acordo com o delegado, todas as hipóteses são consideradas pela investigação.

LEIA MAIS: Jr. ganha homenagem em forma de música 

Segundo a polícia, o crime aconteceu durante a Festa do Açaí, em Codajás, e causou confusão entre as pessoas que estavam no local. As polícias Civil e Militar do município estão  fazendo buscas para localizar o autor do crime.

Na hora do crime, Júnior estava em frente a um hotel, próximo ao local onde acontecia a festa do Açaí, quando o assassino  se aproximou, atirou três vezes contra o cantor  e  fugiu. Mais de 800 pessoas estavam perto do local do crime e houve alvoroço entre a população.

“O autor foi ousado e fez isso na frente de toda a população. Eu estava chegando ao local e fiz de tudo pelo meu amigo. Ainda cheguei a levar ele para o Hospital da cidade, mas ele já chegou lá sem vida”, disse  Jonh Esteves, 40, amigo de infância do cantor.

Publicidade
Publicidade