Publicidade
Cotidiano
Notícias

Delegados que formam ‘Quinteto Fantástico’ permanecerão nos cargos, decide Tribunal de Justiça

Cinco delegados da Polícia Civil permanecerão nos cargos mesmo depois de denúncia apontar que eles haviam assumido tais cargos sem aprovação em concurso 10/03/2015 às 14:05
Show 1
Em sentido horário: Herbert Lopes, Thomaz Vasconcellos, Laura Câmara, Caio César Nunes e Indra Celani Leal (centro)
VINICIUS LEAL E NATÁLIA CAPLAN Manaus

Os cinco delegados conhecidos como “Quinteto Fantástico” permanecerão nos seus cargos conforme decisão proferida nesta terça-feira (10) pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) em Manaus. Por oito votos a favor, e quatro contra, os desembargadores decidiram que os cinco delegados continuarão na Polícia Civil do Amazonas.

Um mandado de segurança impetrado pelos próprios réus em 2010 estava sendo analisado pelos desembargadores. Os delegados pediam para permanecer nos cargos mesmo após o Governo do Estado ter revogado a nomeação deles na Polícia Civil, com base em denúncias de que os mesmos haviam assumido tais cargos de forma indevida.

Segundo denúncia, eles reprovaram no concurso público da Polícia Civil, mas mesmo assim foram considerados “aprovados” e nomeados para os cargos pelo então delegado-geral Mário César Nunes. O concurso foi realizado em 2009. O Ministério Público do Estado foi contra o mandado de segurança e a favor da saída dos delegados dos cargos.

O “Quinteto Fantástico” era formado por Herbert Lopes, irmão do desembargador Flávio Pascarelli; Thomaz Vasconcellos, que foi delegado e secretário executivo de Inteligência; Laura Câmara, sobrinha do deputado federal Silas Câmara; e o filho e também a ex-assessora de Mário César Nunes, Caio César Nunes e Indra Celani Leal.

Julgamento

Os oito desembargadores que votaram a favor do “Quinteto Fantástico” foram o relator João Simões, Djalma Martins, Domingos Chalub, Rafael Romano, Aristóteles Thury, Encarnação Salgado, Jorge Lins e Lafayette Vieira. Contra votaram os desembargadores Paulo Lima, Sabino Marques, João Mauro Bessa e Claudio Roessing.

Publicidade
Publicidade