Sexta-feira, 03 de Julho de 2020
IMPASSE

Deputados rejeitam suplência em CPI e alegam ilegalidades na escolha de nomes

Alessandra Campelo (MDB) e Felipe Souza (Patriotas) afirmaram não aceitar compor a suplência na CPI da Saúde devido a supostas ilegalidades na composição da comissão



02602840-bf32-4ca7-b18f-87d5408b8d47_D8F3B3FD-3211-4BD7-A224-8869DE13EED3.jpg Foto: Divulgação
28/05/2020 às 12:11

Os deputados Felipe Souza (Patriotas) e Alessandra Campêlo (MDB) escolhidos suplentes da CPI da Saúde ontem (27), afirmaram que não aceitam compor a suplência da comissão e apontaram ilegalidades na escolha dos nomes.

Em reunião na quarta-feira, além de Alessandra e Felipe Souza, os cinco membros da Comissão Especial da Saúde indicaram também Dermilson Chagas. Os nomes foram designados pelo presidente da comissão, deputado delegado Péricles, e aprovado pelos membros.



Durante sessão plenária virtual desta quinta-feira (28), Felipe Souza afirmou que não foi consultado para ser escolhido como suplente e que “não quer nenhum prêmio de consolação”. “Passe a bola para outros, existem outros blocos que ficaram sem representantes, estou aqui declinando a minha indicação de primeiro suplente, para que outro colega possa participar”, disse.

A vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), Alessandra Campêlo, disse que vai manter ação na Justiça para que “a CPI comece de forma correta”. A deputada foi indicada para a suplência da CPI pelo deputado Dr. Gomes (PSC). Segundo ela, a ação na Justiça não visa acabar com a comissão investigativa, mas “para evitar que a investigação seja derrubada por ilegalidades”.

Da mesma forma que Felipe, Alessandra reclamou que não foi consultada para a segunda suplência. A deputada aponta que soaria como “oportunismo” de sua parte permanecer na suplência “do tipo eu estou combatendo porque não estou lá, agora que me colocaram, vou dizer que está certo, não vou legitimar”.

“Gostaria que o meu nome fosse retirado, não entendi o critério, não sei como foi feito e baseado em que foram definidos esses nomes. O meu nome não vai ser utilizado em algo que considero que está ilegal. Obviamente que após o restabelecimento da legalidade da composição da CPI, aí sim, nesse momento oportuno vou fazer as tentativas possíveis para ser uma das pessoas indicadas”, completou.

O presidente da CPI da Saúde, delegado Péricles rebateu Felipe Souza dizendo que a comissão “não dá prêmio de consolação”. Péricles explicou que cada membro indicou os nomes.

“O deputado Serafim o deputado Sinésio, o Dr. Gomes indicou a deputada Alessandra Campêlo, eu e o Fausto indicamos Felipe Souza e o deputado Wilker indicou o deputado Dermilson Chagas. Então foram essas as indicações e depois o presidente designou os três. Participar da comissão não é prêmio de consolação até porque estamos lá para investigar e apurar fatos”, retrucou.

Promessa de revisão

Após pedidos dos deputados Felipe Souza (Patriotas) e Belarmino Lins (PP), o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), deputado Josué Neto (PRTB) prometeu reunir hoje de forma híbrida o colégio de líderes, composto por 16 deputados, para solucionar impasses sobre a composição da CPI da Saúde, que podem culminar em judicialização.

Os Progressistas (PP) questionam a retirada da deputada Mayara Pinheiro, presidente da Comissão permanente de Saúde da Casa, que pelo fato de ser jovem, não foi escolhida por Josué. Mas nenhuma menção à reunião foi feita pelo presidente da Casa, Josué Neto até antes da saída da sessão por motivo de saúde.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.