Domingo, 19 de Maio de 2019
Notícias

Destravamento de Processos Produtivos Básicos é uma das prioridades da Suframa

Autarquia busca apoio da bancada amazonense no Congresso para ajudar na liberação dos PPBs



1.jpg
Os PPBs são os conjuntos de etapas mínimas que precisam ser industrializadas na ZFM para poder receber os incentivos fiscais
10/11/2015 às 20:53

A bancada do Amazonas, no Congresso Nacional, recebe nesta quarta-feira (11), às 11h30, a nova superintendente da Zona Franca de Manaus (ZFM), Rebecca Garcia. A convite do coordenador do grupo parlamentar, senador Omar Aziz (PSD-AM), a reunião vai discutir os problemas, entraves e saídas para a “mão pesada” do governo federal na regulação dos Processos Produtivos Básicos (PPBs) – conjunto de etapas mínimas que precisam ser industrializadas na ZFM para poder receber os incentivos fiscais. O PPB substituiu o antigo índice de nacionalização.

Os empresários do Polo Industrial de Manaus vêm reclamando há muito que o governo federal, por meio dos Ministérios de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e de Indústria e Comércio Exterior (Mdic), trava a liberação de produtos a serem fabricados na ZFM.

Segundo o representante da Federação e do Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam/Cieam), em Brasília, Saleh Hamdeh, há pelo menos dez PPBS solicitados e não liberados pelos burocratas ministeriais. Qualquer produto a ser produzido na ZFM precisa desse índice mínimo de nacionalização. O produto-vitrine do Amazonas, a produção de TV, por exemplo, precisa que as placas de circuito impresso, cabos e conectores não podem ser importados.

Hamdeh conta que nos últimos anos o governo negou PPB para fabricação de tênis da Adidas, interruptor e tomada da empresa francesa Legrand-HDL. Nos últimos três, a Voith Hydro da Amazônia (no PIM desde 2010), que produz turbinas para grandes hidrelétricas como Belo Monte, no Pará; Santo Antônio e Jirau, em Rondônia, pediu do governo um PPB PCH para produzir turbinas de até 30 megawatts de potência, destinadas à produção de energia por pequenas hidrelétricas no Brasil.

Posição

O MTCI e Mdic aprovaram o Processo Produtivo Básico, limitando a venda somente para os Estados da Amazônia Ocidental (Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre). “Ora, o governo exige que a fabricação das turbinas seja feita 100% no Brasil e limita o espaço de comercialização. Essas exigências estão inviabilizando muitos negócios e a atração de mais produtos para o Polo Industrial de Manaus”, diz o executivo representante da Fieam/Cieam.

Para Saleh Hamdeh, essa discussão e definição dos critérios de PPB deveriam ocorrer no âmbito do Conselho de Administração da Suframa (CAS) não nos gabinetes de Brasília e que a entrada da bancada amazonense nessa discussão é importante especialmente na articulação política.

Com esses PPBs parados, os novos investimentos e produtos na Zona Franca de Manaus não chegam, o polo industrial não se torna atrativo. Portanto, essa reunião com a nova superintendente da Suframa é para discutir o problema e saber dos motivos pelos quais os PPBs estão sendo emperrados”, explicou o coordenador da bancada amazonense, senador Omar Aziz.

Nomeação em outubro

A nomeação da nova superintendente a Suframa, Rebecca Garcia, foi publicada no Diário Oficial da União do dia 26 de outubro de 2015. A superintendência ficou 11 meses sendo comandada interinamente pelo funcionário de carreira Gustavo Igrejas, desde a saída de Thomaz Nogueira. A disputa política entre o grupo de José Melo/Omar Aziz e o de Eduardo Braga foi um dos motivos do atraso na nomeação de Rebecca. Em entrevista ao Portal A Crítica, ela citou a definição dos Processos Produtivos Básicos (PPBs) como uma das prioridades da gestão na Suframa.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.