Publicidade
Cotidiano
Notícias

Detentos de Parintins (AM) fazem motim nesta terça-feira

O principal motivo do alvoroço é a chuva que cai na cidade desde segunda-feira (28) e os telhados da cadeia estariam supostamente quebrados 29/01/2013 às 11:45
Show 1
Representantes da Sejus e policiais militares estão no local e tentam conter os detentos do pavilhão de presos provisórios
Bruna Souza Manaus, AM

Detentos da Unidade Prisional de Parintins, município localizado a 325 km de Manaus, realizam um motim desde às 8h desta terça-feira (29).  o motivo do alvoroço na cadeia é a chuva que cai na cidade desde segunda-feira (28, os telhados estão quebrados e as celas ficaram alagadas. Até o momento, dois reféns estão sobre o poder dos presos.

Representantes da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejus) e policiais militares estão no local e tentam conter os detentos do pavilhão onde ficam os presos provisórios.

De acordo com o secretario executivo da Sejus, coronel Bernardo Encarnação, a unidade prisional tem 175 presos e a secretaria está verificando qual a motivação e exigências dos presos para o fim do motim. Segundo informações de dentro do presídio, os presos só pretendem liberar os dois reféns após receberem garantias de melhorias na cadeia e que todas as reivindicações sejam atendidas.

No último dia 10 de janeiro, o telhado da unidade desabou depois de uma forte chuva que atingiu Parintins e os detentos do regime semiaberto foram liberados e passaram a noite em casa. O presídio estava parcialmente interditado.

Justiça

O juiz de Direito da 1ª Vara do Tribunal de Júri da cidade de Parintins, Aldrin Henrique de Castro Rodrigues, determinou nesta manhã a transferência dos internos da Unidade Prisional de Parintins, que estejam envolvidos na rebelião.

“Solicitei da direção do presídio que identificasse os presos e os que estivessem sob minha jurisdição, que eles sejam transferidos. Na realidade, desde o ano passado que pedimos providências, pois o presídio não oferece as mínimas condições de receber detentos”, afirmou o magistrado.

Publicidade
Publicidade