Segunda-feira, 22 de Julho de 2019
PDT

Direção nacional do PDT nega expulsão do deputado federal Hissa Abrahão da sigla

Em reação às notícias veiculadas ontem em blogs locais e revistas nacionais, o presidente interino da Executiva do PDT no Amazonas, Stones Machado, divulgou nota de esclarecimento negando a expulsão do deputado federal Hissa Abrahão (PDT-AM)



hissa.JPG Deputado Hissa Abrahão foi afastado da presidência do comando do PDT no Amazonas para se defender no Conselho (Foto: Edevaldo Pereira da Silva)
18/05/2016 às 21:11

A direção nacional do PDT negou que tenha expulsado os seis deputados federais e os dois senadores da legenda que votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados e no Senado. Em reação às notícias veiculadas ontem em blogs locais e revistas nacionais, o presidente interino da Executiva do PDT no Amazonas, Stones Machado, divulgou nota de esclarecimento negando a expulsão do deputado federal Hissa Abrahão (PDT-AM).

O presidente da Comissão Nacional de Ética e Disciplina do PDT, Marcos Ribeiro, informou que está em andamento a representação da Executiva Nacional do partido contra todos os parlamentares que votaram a favor do impeachment, contrariando deliberação do Diretório Nacional em 22 de janeiro de 2016. 

Segundo Ribeiro, Hissa Abrahão e os demais parlamentares foram notificados, apresentaram defesa e foram ouvidos pessoalmente pela Comissão de Ética. O próximo passo será a análise dos depoimentos e a apresentação do parecer, pelos relatores, ao colegiado. Em seguida, independentemente da decisão da comissão, o resultado será analisado e votado na reunião do Diretório Nacional do PDT convocada para o dia 30 de maio no Rio de Janeiro. No entanto, mesmo que Hissa Abrahão e os deputados Flávia Morais (GO), Subtenente Gonzaga (MG), Mário Heringer (MG), Giovani Cherini (RS), Sérgio Vidigal (ES) e os senadores Acir Gurgacz (RO) e Lasier Martins (RS) sejam punidos com expulsão, eles poderão recorrer à ultima instância, a Convenção Nacional do PDT.

“Portanto, não é verdade que o deputado Hissa Abrahão e os demais parlamentares do PDT que se posicionaram contra a deliberação da Executiva Nacional já foram expulsos. Fazer essa afirmação é algo propagandístico que não sabemos qual é a finalidade e, certamente, não condiz com a verdade. O deputado do Amazonas já fez sua defesa, apresentou seus motivos e, ao final, a Comissão de Ética e Disciplina vai tomar a decisão”, declarou o presidente do colegiado e relator do caso do deputado amazonense, Marcos Ribeiro.

Um membro do Diretório Nacional do PDT, que pediu para não ter o nome divulgado, acredita que a decisão final do partido será pela expulsão dos deputados e senadores que desobedeceram à deliberação da Executiva.

Decisão só no dia 30 de maio

O presidente em exercício da Executiva Estadual e membro do Diretório Nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Stones Machado, esclareceu, por meio de nota, que o deputado federal Hissa Abrahão não foi expulso dos quadros do partido político. Stones ressalta que qualquer decisão sobre a permanência do parlamentar amazonense ou não na sigla pedetista se dará somente no dia 30 de maio no Estado do Rio de Janeiro.

Stones Machado informa que o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afastou todos os parlamentares, que apoiaram o impeachment da presidente Dilma Rousseff, dos cargos da executiva regional em seus respectivos Estados. A medida foi tomada para que cada deputado se defendesse no Conselho de Ética de forma isenta e imparcial.

“Ou seja, o deputado Hissa foi afastado da presidência do comando do PDT no Amazonas para se defender no Conselho. Não seria lógico, o Hissa comandar o partido e se defender em processo administrativo. Por isso, o presidente Lupi afastou todos os parlamentares. E assumi a presidência no Estado. O Hissa segue no partido e estamos trabalhando para que ele continue no PDT, seja absolvido, e dê continuidade ao nosso projeto que é vencer as eleições na capital amazonense”, explicou.

Sem comentários

Por meio da assessoria, o deputado federal Hissa Abrahão (PDT-AM) informou que não vai se pronunciar sobre o caso da expulsão em respeito ao processo administrativo que responde no Conselho de Ética do partido. Ele só falará sobre a sua situação partidária após o julgamento previsto para ocorrer no próximo dia 30 de maio.

Hissa Abrahão filiou-se ao PDT em março após desgaste no PPS, partido pelo qual se lançou na Política. Ele tinha planos de lançar candidatura pelo partido à Prefeitura de Manaus. Mas o projeto poderá ser engavetado caso se confirme a expulsão no processo que corre no Conselho de Ética do partido por ter descumprido orientação do partido.

 

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.