Segunda-feira, 26 de Outubro de 2020
política

Diretor-geral da PF vai deixar o cargo e Moro tenta fazer sucessor

Fontes informaram à Reuters que Moro trabalha para fazer o sucessor de Valeixo no cargo e disse que não aceita a escolha de um nome do presidente ou uma indicação política



moro_D61C4ED2-1C55-4D86-916E-ED083CCF5893.JPG Foto: Ministro Sergio Moro 13/04/2020 REUTERS/Adriano Machado
23/04/2020 às 20:06

O diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, vai deixar o cargo para o qual foi escolhido pessoalmente pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, desde o início do governo Jair Bolsonaro, disse à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto nesta quinta-feira.

Moro trabalha para fazer o sucessor de Valeixo no cargo e disse que não aceita a escolha de um nome do presidente ou uma indicação política. Se isso ocorrer, o ministro vai deixar o governo, disse essa fonte.



Mais cedo, em reunião no Palácio do Planalto, Bolsonaro avisou a Moro que iria trocar o chefe da PF, disse a fonte. O ministro da Justiça disse ao presidente inicialmente que não via sentido em permanecer no cargo caso houvesse a mudança de Valeixo, segundo a fonte.

Os ministros da Casa Civil, Braga Netto, do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, começaram a atuar então para garantir a permanência de Moro e passaram a buscar uma solução que atenda tanto ao ministro da Justiça quanto ao presidente.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, Moro não pediu demissão do cargo. O ministro ganhou notoriedade por seu trabalho como juiz da operação Lava Jato e é um dos mais populares ministros do governo.

A saída de Valeixo é uma derrota para Moro, que escolheu o chefe da PF no início do governo, em janeiro do ano passado. Os dois trabalharam juntos na Lava Jato em Curitiba (PR) —Valeixo foi superintendente da PF no Estado. Oficialmente, a asssesoria de imprensa da corporação não se manifestou sobre o assunto.

Essa não foi a primeira vez, no entanto, que Bolsonaro buscou trocar a chefia da polícia.

Em agosto do ano passado, o presidente disse que pretendia trocar Valeixo e destacou na ocasião ser o responsável pela indicação do chefe da polícia e não Moro, a quem a instituição é funcionalmente ligada. Mas na ocasião a mudança não prosperou após Moro também ter ameaçado sair.

Uma segunda fonte avaliou que a troca do diretor-geral da PF pode ser vista como um movimento de Bolsonaro para provocar Moro, a quem o vê com desconfiança e como potencial adversário na sucessão presidencial em 2022. A discussão sobre o comando da polícia seria apenas uma isca em todo esse lance, na avaliação dessa fonte. “O presidente quer testar para ver até onde Moro vai”, disse.

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.