Recurso rejeitado

Djokovic deixa Austrália após perder batalha legal contra sua expulsão

Número um do mundo no tênis, atleta foi considerado como 'risco para a saúde' por se recusar a tomar a vacina contra a Covid-19

AFP
16/01/2022 às 14:18.
Atualizado em 08/03/2022 às 16:10

(Loren Elliott/Reuters )

Novak Djokovic deixou a Austrália, neste domingo (16), depois que a Justiça rejeitou seu recurso contra sua deportação ordenada pelo governo, que considerou que o número um do mundo no tênis representava um "risco para a saúde" por não ter-se vacinado contra a Covid-19.

Tomada por unanimidade pelos três juízes do tribunal, a decisão pôs fim às esperanças do sérvio, de 34 anos, de conquistar seu 21º título de Grand Slam, no Aberto da Austrália, que começa nesta segunda-feira (17).

“Estou muito decepcionado”, disse Djokovic em um comunicado.

“Respeito a decisão do tribunal e vou cooperar com as autoridades competentes em relação à minha saída do país”, afirmou, pouco antes de deixar Melbourne, às 22h51 locais (8h51 em Brasília), segundo uma jornalista da AFP a bordo do avião. 

“Agora vou tirar um tempo para descansar e me recuperar”, disse o jogador, cuja carreira pode se ver seriamente afetada, após a decisão. 

Djokovic foi autorizado a deixar o centro de detenção para imigrantes, onde estava detido desde sábado, e assistiu online, dos escritórios de seus advogados em Melbourne, à audiência de quatro horas de duração.

Em suas argumentações finais ao tribunal no sábado, o ministro da Imigração, Alex Hawke, argumentou que a presença de Djokovic no país era, “provavelmente, um risco para a saúde”.

Segundo o ministro, fomentava o “sentimento antivacina”, podendo dissuadir os australianos de receberem doses de reforço, no momento em que a variante ômicron se espalha rapidamente pelo país.

‘Distúrbios civis’

A presença do campeão na Austrália poderia até “provocar um aumento dos distúrbios civis”, acrescentou o ministro. 

Embora tenha considerado como “insignificante” o risco de o próprio Djokovic infectar os australianos, o ministro disse que seu “menosprezo” pelas normas sanitárias contra a Covid-19 era um mau exemplo. 

Hoje, no tribunal, os advogados de “Djoko” classificaram a detenção e a possível deportação de seu cliente como “ilógicas”, “irracionais” e “nada razoáveis”.

Eles não conseguiram, porém, convencer os três juízes do Tribunal Federal, que rejeitaram o recurso por unanimidade, sem possibilidade de apelação. 

Novak Djokovic foi preso em sua chegada à Austrália, em 5 de janeiro, e posto, inicialmente, em detenção administrativa. 

O jogador, que disse ter contraído Covid-19 em dezembro, esperava uma isenção para entrar no país sem estar vacinado. A alegação foi considerada insuficiente pelas autoridades. 

Em 10 de janeiro, o governo australiano sofreu um revés humilhante, quando um juiz bloqueou a deportação de Djokovic, restabeleceu seu visto e ordenou sua libertação imediata. 

Na sexta-feira, o ministro da Imigração contra-atacou e cancelou seu visto pela segunda vez, em virtude de seus poderes discricionários, alegando “razões de saúde e de ordem pública”. 

Em um comunicado publicado na última quarta-feira (12), o tenista admitiu ter preenchido incorretamente sua declaração de entrada na Austrália.

O 86 vezes campeão da ATP, que foi visto na Sérvia e na Espanha duas semanas antes de seu desembarque na Austrália, responsabilizou sua equipe, afirmando que houve um “erro humano”.

‘Incompetência’

Há quase dois anos, os australianos enfrentam algumas das restrições mais duras do mundo contra a Covid-19. Além disso, com a perspectiva de eleições em maio, o contexto político ficou ainda mais carregado. 

Nos últimos dias, aumentou a pressão sobre o primeiro-ministro conservador Scott Morrison, a quem a oposição trabalhista acusou de “incompetência”.

Neste domingo, o governo australiano comemorou sua vitória legal. 

“A sólida política de proteção de fronteiras da Austrália nos manteve a salvo durante a pandemia”, declarou o ministro da Imigração, Alex Hawke, em um comunicado. 

“Os australianos fizeram grandes sacrifícios para chegar a este ponto, e o governo de Morrison está firmemente comprometido com proteger essa posição”,  completou.

A reação do presidente sérvio, Aleksandar Vucic, foi bem diferente. 

“Acham que, com dez dias de maus-tratos, humilharam Djokovic. Eles humilharam a si mesmos. Djokovic pode voltar para seu país de cabeça erguida e olhar para todo mundo olho no olho”, rebateu.

O Comitê Olímpico da Sérvia se manifestou nesta mesma direção, considerando, neste domingo, que a expulsão de Djokovic foi “escandalosa”. 

“Trata-se de uma grande injustiça para com nosso Novak”, declarou o comitê, em um comunicado. “Apesar desta decisão escandalosa, consideramos que Novak saiu, de novo, vencedor”, completou.

Para a ATP, que administra o circuito profissional de tênis masculino, a decisão da Justiça “encerra uma série de eventos profundamente infelizes”.

“Independentemente de como chegamos até aqui, Novak é um dos maiores campeões do nosso esporte e sua ausência no Aberto da Austrália é uma perda para o tênis”, continua o texto.

Na conclusão, o comunicado ressalta que “a ATP continua recomendando fortemente a vacinação a todos os jogadores”.

O lugar no quadro final do Grand Slam da Austrália será ocupado pelo italiano Salvatore Caruso, 150º no ranking mundial.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por