Publicidade
Cotidiano
Paralisação

Docentes da Ufam deliberam nesta semana sobre deflagração de greve

Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua) convoca os professores, sindicalizados ou não, para nova rodada de assembleia geral para deliberar sobre a adesão ou não ao movimento paredista 22/11/2016 às 20:37 - Atualizado em 22/11/2016 às 21:11
Show ufam0888
 A instância deliberativa dos docentes da capital será instalada no dia 24, às 14h30, no hall do Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), setor norte do Campus Universitário
acritica.com Manaus

Professores de Instituições de Ensino Superior (IES) públicas aprovaram a deflagração de greve nacional, nesta quinta-feira (24), data em que será instalado, em Brasília (DF), o Comando Nacional de Greve (CNG). Por conta disso, a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua) convoca os professores, sindicalizados ou não, para nova rodada de Assembleia Geral (AG) nesta semana para deliberar sobre a adesão ou não ao movimento paredista. 

O cômputo dos votos de fora da sede e de Manaus é que vai definir o posicionamento da categoria na Ufam. A greve nacional Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/2016 – que limita por 20 anos os gastos primários – e contra a Medida Provisória (MP) 746/2016 – que trata da reforma do Ensino Médio. 

“A nossa categoria já havia deliberado, no dia 27 de outubro, pela adesão à greve geral dos trabalhadores brasileiros, convocados pelas centrais sindicais, com suspensão das atividades durante dois dias em novembro. O primeiro deles, no dia 11 de novembro, teve grande adesão da classe trabalhadora, dos estudantes e dos movimentos sociais. Agora, precisamos consultar a nossa base sobre esse resultado nacional, em que a maioria das seções sindicais decidiu pela deflagração da greve docente”, explicou a presidente da ADUA, professora Guilhermina Terra.

 A instância deliberativa dos docentes da capital será instalada no dia 24, às 14h30, no hall do Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), setor norte do Campus Universitário. Nesse mesmo local, na sexta passada (18), a categoria havia referendado a greve geral dos trabalhadores e não um movimento paredista da categoria. Agora, precisa avaliar a deflagração de greve do setor. 

Em Benjamin Constant, a instância deliberativa começa às 9h do dia 24, no auditório da Circular Municipal da Ufam naquele município. Na ocasião, os professores vão escolher também os representantes da unidade que participarão da Marcha Nacional à Brasília, agendada para o dia 29 de novembro, e os delegados do 36º Congresso do ANDES, conforme indicação da circular 361/2016 do Sindicato Nacional. 

“Entendemos que estamos diante de um quadro crítico e que requer que estejamos em assembleia permanente (...) nossa luta deve continuar sendo construída e fortalecida”, diz trecho do convite da assembleia, encaminhado aos docentes do Instituto Natureza e Cultura (INC) pelo professor Josenildo Souza. 

Na sexta (25), às 15h, docentes do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente (IEAA), unidade acadêmica da Ufam em Humaitá, também decidirão sobre a pauta. A assembleia, que será realizada no auditório da Circular Municipal da universidade, ocorre no mesmo dia da paralisação nacional dos trabalhadores contra a PEC 55 – que limita os gastos em serviços essenciais por vinte anos – e contra a reforma do Ensino Médio, expressa na MP 746/2016. 

Já decidiram

Os professores do Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (ICSEZ) em Parintins já se posicionaram, no dia 16 deste mês, favoravelmente à deflagração de greve contra as medidas do governo federal.

Publicidade
Publicidade