Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
DINHEIRO

Renda fixa ou variável, fundos ou Tesouro Direto? Saiba onde investir em 2018

Especialistas orientam que o momento é de ficar atento ao noticiário. Impacto político e novo presidente podem afetar o cenário econômico



ssssssssssssssssss.JPG Foto: Reprodução
07/01/2018 às 10:25

O ano 2018 será  intenso na política e na economia. Isso terá um grande impacto para quem fez promessa no ano novo de investir dinheiro esse ano. O A Crítica conversou com especialistas que orientam que o momento é de ficar atento ao noticiário, pois fará toda a diferença na hora de escolher os melhores e mais rentáveis investimentos. 

“Os impactos da política acontecerão a partir de junho deste ano. E não é o nome do presidenciável que vai afetar a economia e sim se ele vai dar continuidade ao ajuste fiscal ou não”, explica o economista Fábio Calderaro.

Bolsa de valores

Segundo o especialista em finanças, o cenário lá fora é benigno para os países emergentes e isso afeta o Brasil. “Hoje o cenário é de otimismo. Temos injeção do dinheiro na economia, baixa inflação, juros baixos, e por isso os investidores lá de fora, ao observarem que os juros estão baixos, eles investem em bolsa de valores, em ativos de maior risco em seus países ou começam a procurar prêmios de riscos maiores em países emergentes”, ressalta o economista.

Fábio explica que a bolsa será favorável para 2018, pois as empresas provavelmente terão mais lucros em 2018. “O endividamento das empresas tende a diminuir, os preços do alugueis estão caindo e o custo nominal da mão de obra também está caindo e isso aumenta a rentabilidade e o lucro das empresas e por isso aumenta os investimentos das bolsas”, explica.

Fundo multimercado

Fábio explica que se um investidor quer sair dos instrumentos de renda fixa e subir um grau de risco maior ele pode investir nos fundos multimercado. “Na composição o gestor da carteira dele  tem uma flexibilidade maior e daí pode colocar nessa carteira tanto renda fixa como renda variável, câmbio e ativos no exterior”.

Tesouro Direto

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central a taxa Selic alcançou o patamar de 7%, o menor desde 1986. Dessa forma Silvio Paixão, professor de Análise de Cenários Econômicos e Macroeconomia da Faculdade FIPECAFI, explica que pode ser uma boa apostar em títulos indexados à inflação, o IPCA+, que protege o dinheiro da inflação e ainda oferece uma rentabilidade real.

“Se a investidora tiver perfil conservador, pode deixar tudo nele. Mas, se ela quiser diversificar mais, pode aplicar um terço de seu dinheiro no IPCA+, um terço em títulos pré-fixados e um terço indexado à remuneração cambial. Via de regra, quando você considera a rentabilidade e subtrai as despesas associadas, eles são os mais econômicos”, aconselha. 

“Em 2017, nós tivemos a recuperação cíclica da economia, depois da mais longa e intensa crise da nossa história.   Isso ocasionou um aumento nas vendas do varejo, uma melhora na produção industrial, perdemos o risco na balança de pagamento, não tivemos mais pressão sobre o dólar e tivemos inclusive um recorde no saldo da balança comercial com cerca 70 bilhões de dólares e com isso fechamos o ano com crescimento de 1%. É provável que continuemos com nossa expansão cíclica de 2,5% a 3%, mas existem ameaças que podem conter esse crescimento”, explica o economista Fábio Calderaro.

Lista:

*Tesouro Direto
*LCIs
*LCAs
*Fundos DI
*Fundos multimercado
*ETFs
*Debêntures
*Ações na Bolsa

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.