Terça-feira, 16 de Julho de 2019
ECONOMIA

Mudar o nome do negócio requer muito planejamento e estratégia corporativa

É o caso da marca Yroyak Supermercados, que mudou o nome do empreendimento de mais de 22 anos. Especialista afirma que processo é arriscado, porém pode colher bons frutos



yroyak.JPG Os irmãos e proprietários Elizangela e Francisco Hiroiaque mudaram o nome do negócio (Foto: Gilson Melo)
29/01/2018 às 07:30

Mudar o nome de uma empresa é sempre um processo que requer muita estratégia corporativa envolvida. São ações que fazem parte de uma intenção de criar diferenciais para um novo posicionamento da empresa frente aos clientes, funcionários, fornecedores, concorrentes e, claro, a mídia. 

É o caso da Yroyak Supermercados que depois de 22 anos no mercado deixou de ser 'Varejão da Ponta Negra e Vieiralves' para ser Yroyak. A mudança do nome do empreendimento se deu a partir da necessidade dos proprietários de se diferenciar no mercado e gerar autenticidade à marca.

"Nós queríamos uma mudança a respeito da popularização. Surgiu uma onda de 'Varejões' e daí pensamos em expandir os serviços e produtos para atender as regiões. Então despertou em nós  a necessidade de mudar o nome da empresa e com isso melhoramos e aperfeiçoamos os produtos e o atendimento", ressalta um dos proprietários, o Francisco Hiroiaque.

"Apesar de varejão ser muito conhecido, percebemos que o nome 'Varejão' tinha em toda a esquina e acabou que tínhamos dificuldade em criar uma identidade, por exemplo, de trabalhar uma mídia, até que pensamos em criar o nome da marca a partir do sobrenome da família de uma forma estilizada", revela a proprietária Elizangela Hiroiaque.

Os proprietários garantem que a aceitação está sendo muito positiva, entretanto os clientes estão tendo dificuldades em falar o Yroyak, mas que faz parte do processo de adaptação.

Entre os diferenciais está a qualidade dos produtos. O supermercado também tem produção própria da folhagem que é o couve, alface crespa, americana, roxa, jambu, manjericão, hortelã e pimenta-doce. No Vieiralves eles têm 1 mil a 1,2 mil clientes. 

“No açougue a nossa carne tem muita qualidade e procuramos selecionar o máximo as nossas frutas e verduras. O nosso forte é  o hortifruti e ainda temos delivery de nossos produtos com entregas todos os dias das 07h às 17h”, conta Elizangela. 

O estrategista da marca Rubem Brito explica que a mudança da marca durou aproximadamente dois anos através da Inventto Consultoria e Marketing. A transformação gerou impacto na estrutura, na cultura e na estratégia de um mercado altamente competitivo.

“A marca era extremamente comum, existiam muitos empreendimentos parecidos com esse nome e nós buscamos revelar a autenticidade e de criar uma identidade própria. Com isso buscamos revelar a cultura e damos o treinamento aos funcionários. Alteramos o nome, a arquitetura, o layout e a funcionalidade”, enfatiza Brito. 

Estratégia

A especialista em Marketing Empresarial e em gestão estratégica e econômica em negócios, Vania Vial e destaca que as estratégias para a mudança de uma marca requerem planejamento adequado. 

“A marca é a sua identidade no mercado e não pode ser tratada com leviandade. Não se pode trocar de marca simplesmente porque não gosta mais do nome. É preciso ter critério e fazer um planejamento, pois envolve muito mais do que trocar o letreiro na frente da empresa. Implica em ter um planejamento de marketing, com reposicionamento no mercado, criação de uma nova identidade visual, com mudança de logomarca, de materiais de expediente, sinalização visual e material promocional”, aponta.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.