Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
publicidade
000_1CK2KX__1__949499C4-B6DB-4F37-81EE-AA2BF056E7C4.jpg
(Foto: AFP)
publicidade
publicidade

PODER

Donald Trump reconhece opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela

O chefe do Parlamento Venezuelano se autoproclamou presidente do país nesta quarta-feira. Para Trump, ele é o único braço legítimo do governo eleito pelo povo venezuelano


AFP
23/01/2019 às 14:49

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu "oficialmente" nesta quarta-feira (23) Juan Guaidó, presidente do Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, como presidente interino do país.

"Hoje, estou reconhecendo oficialmente o Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como Presidente Interino da Venezuela. Em seu papel de único braço legítimo do governo devidamente eleito pelo povo venezuelano, a Assembleia Nacional invocou a Constituição do país para declarar Nicolás Maduro ilegítimo e, portanto, o gabinete da Presidência ficou vago", declarou Trump em um comunicado.

Além de Trump, o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, cumprimentou o chefe do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou nesta quarta-feira (23) "presidente encarregado" do país para buscar uma saída de Nicolás Maduro do poder.

publicidade

"Nossos cumprimentos a @jguaido como Presidente encarregado da #Venezuela. Tem todo o nosso reconhecimento para impulsionar o retorno do país à democracia", tuitou Almagro. 

"Juro assumir formalmente as competências do Executivo Nacional como o presidente encarregado da Venezuela para conseguir o cessar da usurpação, um governo de transição e ter eleições livres", manifestou Guaidó da tribuna, com a mão erguida.

Mais cedo, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) venezuelano tinha determinado ao Ministério Público que investigasse criminalmente os integrantes do Parlamento, de maioria opositora, ao acusá-lo de usurpar as funções do presidente Nicolás Maduro, anunciou a corte.

"Exorta-se ao Ministério Público, ante a objetiva materialização de condutas constitutivas de tipos delitivos (...), para que de forma imediata proceda a determinar as responsabilidades dos integrantes da Assembleia Nacional", destacou o TSJ em uma declaração lida à imprensa.

publicidade
publicidade
Fechamento da fronteira com a Venezuela completa dois meses neste domingo
Guaidó pressiona Maduro nas ruas com manifestações contra apagões
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.