Publicidade
Cotidiano
NO RIO

'Doutor Bumbum' é preso junto com a mãe após morte de paciente em cirurgia estética

Denis César Barros Furtado estava foragido sob a acusação de homicídio doloso pela morte de Lilian Calixto. O médico, em seu site, anunciava que fazia atendimentos em Manaus. 19/07/2018 às 16:35 - Atualizado em 19/07/2018 às 16:56
Show whatsapp image 2018 07 19 at 16.13.22
Foto: Divulgação
Vinicius Lisboa e Vladimir Platonov - Da Agência Brasil Rio de Janeiro (RJ)

O médico Denis César Barros Furtado, de 45 anos, foi preso na tarde de hoje (19) em um centro empresarial na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro. A mãe do médico, Maria de Fátima Furtado, também foi presa. O médico, em seu site, anunciava que fazia atendimentos em Manaus.

Conhecido como Dr. Bumbum, Denis Furtado estava foragido sob a acusação de homicídio doloso, porque a paciente Lilian Calixto morreu durante um procedimento estético realizado na cobertura do profissional, na zona oeste do Rio. 

Segundo a Polícia Militar informou em seu perfil no Twitter, policiais do setor de inteligência do 31º Batalhão efetuaram a prisão. O médico será encaminhado para a 16ª DP, na Barra da Tijuca.

A delegada da 16ª DP, Adriana Belém, considerou o desfecho satisfatório. Ela disse que a defesa de Denis havia combinado que o médico se apresentaria às 16h, mas policiais militares localizaram seu paradeiro enquanto ele e a mãe ainda estavam no escritório de seu advogado.

"Eles [Denis e a mãe] vão ser ouvidos, recolhidos. Vou cumprir com o que acordei com o advogado e cumprir o mandado de prisão", disse a delegada. De acordo com Adriana Belém, os dois devem passar a noite na delegacia, porque ainda restam muitos fatos a ser esclarecidos. 

O plantão do Tribunal de Justiça decretou ontem (18) a prisão de Denis e de sua mãe, Maria de Fátima, que, embora com o registro de médica desde 2015, teria participado da cirurgia, e da namorada dele, Renata Cirne, que foi levada para o Presídio de Benfica, na zona norte da cidade.

A prisão temporária foi pedida pelos crimes de homicídio doloso duplamente qualificado e associação criminosa. Se for condenado, o médico poderá pegar até 36 anos de prisão.

Publicidade
Publicidade