Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Notícias

Drones já são utilizados em atividades do mercado comercial no Estado do Amazonas

No Amazonas já existem empresas especializadas em locação de drones que oferecem aplicações multimídias que facilitam a atividade comercial de empresas e até mesmo auxiliam em soluções para o poder público



1.jpg
Fernando e Orlando, da Laxunga Produções, incorporam os drones aos registros de documentários e publicitárias de diversas empresas
09/01/2016 às 13:59

Eles estão por toda parte. Inicialmente idealizados para fins militares, os “robôs voadores não-tribulados” com câmeras acopladas entraram no mercado em 2010 e hoje são a representação do futuro da área tecnológica.

No Amazonas já existem empresas especializadas em locação de drones que oferecem aplicações multimídias que facilitam a atividade comercial de empresas e até mesmo auxiliam em soluções para o poder público.

Aqui os drones são utilizados em diversas finalidades. Do mercado publicitário para a produção de documentários e comerciais, para registro de eventos, na gravação de videoclipes, na tomada de imagens jornalísticas, para mapeamento geológico e até auxiliando a ciência.

Empresas de construção civil estão recorrendo aos drones para medição de terrenos. Uma petroleira internacional pretende prospectar petróleo na região do rio Purus e contratou o serviço de drones para registrar as imagens aéreas do local.

Recentemente a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) recorreu a três equipamento para ajudar no mapeamento de imóveis que podem ter focos do mosquito Aedes aegypti - transmissor da dengue, chikungunya e vírus Zika. Os três drones estão integrados à equipe de fiscalização da Semsa ao  fazer sobrevoos sobre áreas endêmicas.

Até o Instituto de Pesquisas da Amazônia usou a tecnologia em pesquisas envolvendo estudos climáticos na região. Em 2014, o estudante de doutorado Carlos Ceres recorreu ao drone  Md4-1000 para obter dados e estimar o nível de carbono da Floresta Amazônica.

Pioneira no mercado amazonense, a empresa Vision Fly já realizou trabalhos para a TV A Crítica como a transmissão do Festival Folclórico de Parintins em 2015. “Hoje já fiz trabalhos com o pessoal do Discovery Chanel, do National Geographic, do Inpa, com pessoal da TV e agora estou indo para uma missão em uma base de petróleo e gás no rio Purus”, contou Emerson Cardoso, diretor da Vision Fly, que juntou a paixão de uma década pelo aeromodelismo com a formação em publicidade para lançar a empresa no mercado há dois anos. “Hoje conseguimos atender todo tipo de mercado, desde a indústria até agências de publicidade”, contou.

Produção geral

A Laxunga Produções estreou oficialmente este mês incorporando os drones ao seu portfólio de serviços, especializada em trabalhos jornalísticos, publicitários, de cinema e produções musicais. Fernando Crispim, à frente do projeto, conta que possui registro dos principais pontos turísticos de Manaus e das  imagens de natureza da região amazônica, como seca dos rios e o do Arquipélago de Anavilhanas.

Atualmente existem vários modelos de drones com câmeras que registram imagens em alta definição para gravações de qualidade, câmeras térmicas para focos de incêndio e até câmeras com raio x para fazer topografia de ambientes e ecossistemas.

Robôs na Amazônia

A partir deste ano, os drones vão auxiliar o serviço florestal brasileiro no monitoramento da exploração sustentável de madeira. Os drones, que são veículos aéreos não tripulados, custam em média R$ 90 mil, incluindo computadores e demais acessórios. A princípio serão adquiridos três equipamentos, que vão tirar fotos tridimensionais das pilhas de madeira no Norte do País.

Levando em conta a tecnologia para melhorar o monitoramento da Amazônia, este mês o Instituto de Computação da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) discutirá uso de sistemas computacionais robóticos  voltados para a conservação ambiental e desenvolvimento sustentável da floresta. O evento nominado  Escola Avançada de Sistemas Computacionais e Robóticos (Earth), ocorre entre 25 a 29 de janeiro no Novotel e nos laboratórios do IComp, com palestras e minicursos abertos à comunidade, e nos dias 30 e 31 na reserva florestal de Mamirauá.

Os drones alcançam voos de até um quilômetro do solo, no entanto não podem sobrevoar grandes aglomerações de pessoas e áreas com antenas de telecomunicações, sob o risco de perder o sinal e cair.

O aparelho é controlado por uma pessoa em solo que monitora a imagem através de um aplicativo no smartphone que mostra o campo de visão da câmera do drone.

Os aparelhos são todos importados e fabricados principalmente no Japão.

Destaque

As novas regras da Aeronáutica sobre uso de drones já estão em vigor. Está proibido o voo sobre áreas povoadas e aglomerados de pessoas. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ainda vai regulamentar, até a Olimpíada, quem estará apto a operar e como será feito registro.

Entregas

Algumas empresas já usam drones de alta capacidade para a entrega de produtos. Uma rede de padarias em SP testou a novidade.

Fiscalização

Os órgãos fiscalizadores já estão lançando mão dos drones para fiscalizar áreas de desmatamento.

Trânsito

Outro potencial para os drones é vigiar o trânsito e captar possíveis infrações.

Combate ao crime

A Polícia Federal já usou para localizar facções criminosas.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.