Publicidade
Cotidiano
INEFICIÊNCIA

DSTs, gravidez e uso de drogas aumentam apesar de ações, dizem especialistas

Assuntos estão sendo abordados na Semana da Juventude na Escola Municipal Padre Sebastião Luiz dos S. Puga Barbosa, no Japiim. Relatório diz que a cada três pessoas infectadas pelo HIV, uma tem entre 15 e 24 anos 23/09/2016 às 10:40 - Atualizado em 23/09/2016 às 10:41
Show escola
Orientação e compreensão são a chave para os problemas, afirmam educadores (Foto: Divulgação/Semsa)
Alik Menezes Manaus (AM)

O número de casos de jovens com algum tipo de Doença Sexualmente Transmissível (DST), gravidez e uso de drogas tem aumentado mesmo com o fortalecimento de ações de orientação e prevenção. Esses assuntos estão sendo abordados na Semana da Juventude, que iniciou ontem, na Escola Munícipal Padre Sebastião Luiz dos S. Puga Barbosa, no Japiim.

Para a assistente social Rejane Barros, que coordena o projeto Saúde Adolescente há seis anos, o aumento no número de casos de gravidez na adolescência é consequência, na maioria das vezes, da falta de informação. “Depois que aconteceu não há mais o que fazer, mas é importante que essas crianças sejam acompanhadas e não abandonadas pelas famílias”, disse.

As drogas são outro problema que muitos jovens enfrentam. Segundo a assistente social, muitos são os fatores que podem influenciar que jovens entrem para o mundo das drogas cada vez mais cedo, entre os quais destacou a convivência com usuários de drogas ou a localização de onde moram. “Os pais saem para trabalhar, ou seja, a criança fica só e pode ficar vulnerável a traficantes, que muitas vezes os obrigam a vender e usar”, disse.

O início precoce da vida sexual e ausência do uso de preservativos colaboram para o aumento no número de casos de doenças sexualmente transmissíveis. “Depois que engravidou ou pegou algum tipo de doença não tem como e nem porque apontar culpados. Deve-se ajudar esses jovens no tratamento e continuar orientando quanto aos meios de prevenção”, disse.

Segundo relatório do programa das Nações Unidas sobre HIV (Unaids), a cada três pessoas infectadas pelo vírus no mundo, uma tem entre 15 e 24 anos. No Brasil, a preocupação gira em torno de garotos entre 15 a 19 anos, pois a estimativa é de que 734 mil pessoas estejam contaminadas nessa faixa.

Para a médica Rhaíssa Bentes Leonel, além da preocupação com o HIV e a gravidez, o câncer de colo de útero é outra preocupação. O HPV está relacionado ao câncer de colo de útero, vagina, vulva e ânus. “O início de uma vida sexual precoce, a falta de prevenção e o grande número de parceiros sexuais durante o ano, a promiscuidade, colaboram para esse tipo de câncer, mas é muito evitável”, disse.

Segundo a médica, o melhor tratamento é sempre a prevenção. Os pais devem investir na educação dos filhos e as escolas também devem orientar esses jovens. “Toda DST é evitável, basta se prevenir, não ter um vida sexual promiscuidade, e ouvir as orientações dos pais ou responsáveis”, defendeu.

Cada doença sexualmente transmissível (DST) tem um tipo de tratamento específico, dependendo muitas vezes do tipo de infecção que se trata. As DSTs podem ser causadas por bactérias, fungos ou vírus, e muitas delas não apresentam sintomas. Por isso, é importante realizar exames e usar o preservativo.

Riscos

No caso de mulheres grávidas, a ausência de tratamento de DSTs pode causar abortos espontâneos, natimortos, baixo peso ao nascer, infecção congênita e perinatal. Em mulheres com infecções por gonorreia ou clamídia que não são tratadas, 10% a 40% desenvolvem doença inflamatória pélvica (DIP), aumentando de 6 a 10 vezes as chances de desenvolver a gravidez ectópica.

Apesar de participar do projeto Saúde Adolescente há mais de dois anos, uma adolescente de 16 anos, que cursa o 9º ano do ensino fundamental, disse que engravidou porque quis e sabia que poderia ter evitado. “Muita gente diz que eu sou nova e não deveria ter engravidado, mas eu quis assim, foi decisão minha”.

O companheiro da adolescente, que tem a mesma idade que ela, se mudou para a casa dos pais da jovem para acompanhar a gravidez. “Estamos morando juntos”, disse

Publicidade
Publicidade