Domingo, 19 de Maio de 2019
TRABALHO

e-Social: prazo para parte das empresas se adequar a novas regras acaba em julho

O novo sistema é obrigatório e promete maior segurança e praticidade no envio de informações trabalhistas, mas ainda causa muita dúvida nos setores de recursos humanos



esociala_AECE7B24-7282-42A7-975A-47AF3FB2C523.JPG
Foto: Márcio Silva/Divulgação
02/04/2019 às 20:42

Até julho de 2019, as empresas que faturam acima de R$ 78 milhões ao ano, devem se adequar às novas regras do e-Social, e enviar ao governo federal informações sobre saúde e segurança do trabalhador. O novo sistema é obrigatório e promete maior segurança e praticidade no envio de informações trabalhistas, mas ainda causa muita dúvida nos setores de recursos humanos.  

Esse foi o tema da palestra “e-Social na Prática”, realizada nesta terça-feira (2), no Novotel e organizada pela Provisa Gestão de Saúde. O evento trouxe especialistas na nova plataforma que falaram, principalmente, sobre as regras que devem ser cumpridas este ano. 

 “O novo sistema é obrigatório e vai atingir todas as instituições privadas e órgãos públicos. Quem não se adequar e for pego numa fiscalização, pode receber uma multa de R$ 400 a R$ 180 mil, por funcionário”, afirma Missilene Fortes, diretora-geral da Provisa, empresa especializada em gestão de saúde corporativa. “Em 2019, todas as empresas brasileiras, grandes e pequenas deverão incluir no sistema e-Social informações sobre segurança e saúde dos trabalhadores”, completou.

A medida vale inclusive para microempreendedores individuais (MEI). Mas, até o fim de 2018, três milhões de empresas brasileiras estavam com o processo de adequação ao e-Social em atraso.

Leandro Melero, especialista em e-Social, reforça as vantagens do sistema para empresa e trabalhadores. “Os empresários vão conseguir cumprir com muito mais facilidade as obrigações fiscais,  previdenciais e trabalhistas, e para os trabalhadores a grande vantagem é a garantia dos direitos trabalhistas”.

O que é o e-social

O e-Social vai reunir em um único sistema as informações sobre obrigações fiscais, previdenciais e trabalhistas.

Profissionais de Recursos humanos que já começaram a usar a nova plataforma afirmam que a mudança está trazendo mais agilidade aos RHs, pois unifica a transmissão de 15 obrigações, incluindo dados sobre FGTS, Previdência Social, registro de empregados e comunicação de dispensa.

Suziane Mateus é analista de RH de uma empresa que já começou a implantar a fase do cadastro da folha de pagamento. “Agora estamos na fase de implantação da gestão de saúde e segurança ocupacional e por isso nós estamos aqui para buscar mais informações. É vantajoso, os dados do governo são muito rápidos, exige atenção em cada cadastro, é como se fosse uma fiscalização mensal. É vantagem para empregado e empregador”, destacou.

O sistema integrado foi criado para dar mais agilidade, eficácia e segurança no envio de informações sobre empregadores e empregados.

Marcos Nunes, analista de DP sênior, já está participando da implantação do sistema na organização onde trabalha. Apesar no receio inicial, ele também defende que a proposta trás vantagens para todos os envolvidos. “Nós estamos trabalhando para não deixar pra última hora. Nós estávamos com medo do novo. A plataforma é vantajosa. Quando transmitimos a folha de pagamento automaticamente já geramos a darf, promovendo mais agilidade”, explicou.

Por afetar a vida de milhares de empresas e milhões de trabalhadores, a implantação do e-Social é gradativa. Desde 2018, é obrigatória para firmas com faturamento superior a R$ 78 milhões. Para aquelas que têm  faturamento menor, a adequação ao e-Social começou em 2018 e deve ser completada em 2019. Este ano também é a vez dos empresários optantes pelo Simples Nacional, produtores rurais e empregadores Pessoa Física (exceto doméstico) se adequarem ao processo.

A partir de abril, as empresas que têm faturamento abaixo de R$ 78 milhões deverão atualizar no e-social o recolhimento de contribuições previdenciárias. Em 2020, é a vez dos microempreendedores individuais (MEI) que tenham pelo menos um funcionário contratado. Em 2021, é a vez dos órgãos públicos.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.