Sábado, 04 de Abril de 2020
Notícias

'Ele está muito abalado', diz mãe de ex-gerente de cachaçaria, que teme retornar a Manaus

Sem contato com o filho, Maria da Penha, 62, mãe de Pedro Marks, disse que Pedro Marks ainda não voltou à capital por medo do que possa acontecer com ele



1.jpg Delegada Fabíola Queiroz, que preside o inquérito, diz que a boa vontade da família foi fundamental na investigação
07/01/2015 às 14:43

Quatro dias depois da família do coordenador de garçons da Cachaçaria do Dedé do Shopping Ponta Negra, Pedro Marks Brito Filho, 26, devolver à polícia R$ 80 mil furtados do estabelecimento, ele continua no Município de Urucuritiba (a 208 quilômetros de Manaus), com medo de voltar para Manaus. A mãe de Pedro, a aposentada Maria da Penha, disse que o filho está psicológicamente abalado e teme o que deve acontecer com ele.

"Ele está muito mal, abalado, não sabe o que fazer", relatou a aposentada, que contou ainda que está tendo dificuldades para se comunicar com Pedro. Segundo Maria, o filho só faz contato com o pai, que está em Itacoatiara (a 177 quilômetros da capital). A família também não sabe o paradeiro exato de Pedro.

"Não sabemos e ele está na casa de parentes ou de amigos em Urucurituba. Sei que ele vai voltar, mas ainda não sei quando, pois ele está muito preocupado com a situação e com o que irá acontecer com ele", disse Maria.

Pedro Marks Brito Filho fugiu com R$ 86 mil furtados da Cachaçaria do Dedé, no dia 31 de dezembro. A polícia chegou a investigar um suposto sequestro, após a família dele registrar o desaparecimento na delegacia, mas as investigações apontaram que não houve sequestro, e sim furto. Após a revelação na mídia, Pedro se arrependeu e devolveu quase todo o dinheiro à Policia Civil de Urucurituba, na manhã do último sábado (3).

Caso

Indiciado pelo furto de R$ 84,4 mil dos cofres da Cachaçaria do Dedé, localizado no shopping Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, Pedro Marks Brito Filho era esperado em Manaus na tarde de segunda-feira (5). Ele estava no município de Urucurituba desde o dia 2 de janeiro e se entregou à polícia no último domingo (4).

Segundo informações da delegada titular do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Fabíola Queiroz, o ex-funcionário responderá em liberdade por furto qualificado e não terá que prestar novos depoimentos para a Polícia Civil em Manaus.

A delegada disse que Paulo Marks alegou “um momento de fraqueza” como justificativa pelo furto. “A ficha dele só caiu quando entrou em contato com os familiares (no dia 2 de janeiro). Os familiares estavam muito preocupados e convenceram Pedro a se arrepender e devolver o dinheiro, e foi o que ocorreu”, disse a delegada.

Em depoimento prestado em Urucurituba, Pedro Marks disse que tentou sair de Manaus ainda no dia 31 de dezembro, mas não encontrou ônibus e taxis disponíveis para Itacoatiara, cidade onde nasceu e vive a maioria de seus familiares.

O ex-funcionário disse ainda que retirou o valor de forma aleatória do cofre e que só percebeu o montante de R$ 81,9 quando saiu do restaurante.
“Segundo ele (Pedro) o valor furtado foi R$ 81.900, porém ele entregou apenas R$ 80.900 porque R$ 1mil teria sido gastos em despesas na devolução do dinheiro na delegacia de Itacoatiara”, disse a delegada.

A advogada da Cachaçaria do Dedé, Danielle Dias, disse, no entanto, que o dono do estabelecimento tem documentos que comprovam a retirada de R$ 84,4 mil do cofre. “Possuímos documentos que comprovam que foi tirado este valor. Até o fim desta semana veremos se ele devolverá o restante do dinheiro ou teremos que acionar a Justiça”, disse.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.