Publicidade
Cotidiano
ELEIÇÕES 2018

Eleição no Amazonas deve custar R$ 33,7 milhões aos cofres públicos, diz TRE

Técnicos do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas estão preparando os termos de referência do pleito para fazer todas as contratações necessárias 22/02/2018 às 15:38
Show tre
TRE estuda opções para economizar com técnicos de urna e transmissão. Uma possibilidade é utilizar técnicos de universidades ou fechar cooperação com o Ifam. Foto:Arquivo AC/Clóvis Miranda
Larissa Cavalcante Manaus (AM)

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) estima em R$ 33,7 milhões o custo das eleições deste ano no Amazonas, se ocorrerem os dois turnos marcados para os dias 7 e 28 de outubro, na qual estarão em disputa 24 cargos de deputado estadual e oito de federal, duas vagas para o Senado, além do  governo do Estado e a Presidência da República.

Os valores foram repassados ontem pelo diretor geral do TRE-AM, Messias Andrade. Do total, R$ 18,7 milhões correspondem ao orçamento do Tribunal para o pleito e R$ 15 milhões é a verba do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) destinada para o custeio de despesas, por exemplo, equipamentos de transmissão e as Forças Armadas.

“Do orçamento do TRE, R$ 18,7 milhões, 70% do valor já foi repassado para realizar as licitações do primeiro turno. Já colocamos em cima desse valor cerca de 10% considerando a inflação e o índice de reajuste de preços. Por exemplo, o combustível que influencia diretamente na contratação da logística para transporte das urnas e dos técnicos. Já estamos preparando os termos de referência deste pleito para fazer todas as contratações necessárias com base nas eleições dos anos de 2016 e 2017”, afirmou o diretor.

De acordo com Messias, na próxima semana a direção do TRE-AM se reunirá com representantes das Forças Armadas, Polícia Militar e Civil para definir o efetivo que será distribuído em todo o Estado.

“No que diz respeito aos técnicos de urnas e a transmissão, estamos estudando alternativas para ter maior economicidade e aproveitamento desses profissionais. Talvez a Corte utilize técnicos de algumas universidades ou realize um termo de cooperação com o IFAM, realizado na eleição passada. Precisamos ter tempo para resolver  sobre as urnas. Estamos tratando com bastante cuidado”, diz.

Blog: Messias Andrade, diretor-geral do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM)

“No que diz respeito à propaganda eleitoral nosso investimento maior será no combate ao crime virtual. Entendemos que houve uma queda de 80% em 2017, comparando ao pleito de 2016, em relação aos crimes de rua como propaganda eleitoral por meio de cartazes e santinhos. Em 2017, isso praticamente inexistiu. Em contrapartida tivemos o crescimento vertiginoso dos crimes virtuais, principalmente, nas redes sociais”, disse Messias Andrade.

“Na época (eleição passada) não se tinha tanta ênfase nas “fake news” (notícias falsas) e nós já estávamos trabalhando em parceria com o Facebook Brasil para combater a prática. A nossa comissão de propaganda será 80% ou 90% voltada para combater os ilícitos virtuais e é claro sem perder a perspectiva de realizar a fiscalização corpo a corpo na rua. Nos adequamos ao contingenciamento de verbas. Utilizamos a eleição de 2017 como parâmetro e agora estamos tranquilos no que diz respeito à questão orçamentária”, acrescentou.

Publicidade
Publicidade