Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Notícias

Eleições de 2014 animam o setor das gráficas em todo o País

Setor está otimista com a procura por impressos como cartazes, panfletos e santinhos, que sempre aumenta em período eleitoral


08/07/2014 às 08:51

No dia cinco de outubro deste ano, os amazonenses vão às urnas para escolher o novo presidente da República, o governador, oito deputados e um senador. Até lá, a impressão de panfletos, santinhos, cartazes e materiais de campanha deve movimentar o setor das gráficas em todo o País, como acontece em toda época de eleição. Estimativas feitas pela equipe dos candidatos a governador indicam que, juntos, eles devem gastar R$ 56,4 milhões na campanha eleitoral. Isso está deixando animado o segmento de gráficas e empresas de comunicação visual.

Para algumas, o período já é certeza de lucro acima da média. Na Grafinick, por exemplo, a expectativa é que o rendimento triplique nas eleições. Em entrevista ao A CRÍTICA, a gerente administrativa do estabelecimento, Albaniza Lira, garantiu que o período eleitoral é o melhor momento para o segmento de gráficas ganhar dinheiro.

“Geralmente, os políticos pedem quantidades enormes, acima de um milhão e, como são vários itens de vários políticos, o lucro sobre muito. Eles sempre pedem panfletos, santinhos e cartazes, é o trio favorito”.

Para atender a alta demanda da época, a gerente afirma que é preciso preparação, principalmente quando não se quer deixar de receber outros pedidos, além dos que envolvam as eleições.

“Nós funcionamos desde 1997 e sempre atendemos aos pedidos eleitorais. Com a experiência, vimos que é preciso organização. Como queremos continuar atendendo outros setores, vamos trabalhar em três turnos no período eleitoral e contratar mais funcionários. É sempre assim. Só não posso estimar a quantidade de funcionários a mais agora, porque é algo que só fazemos após receber os pedidos”, explicou.

Sem otimismo

Nem todas as gráficas, porém, estão tão animadas com o período eleitoral. Na gráfica Ziló, a expectativa é de que o aumento da demanda seja dentro da média, nada digno de grandes comemorações. “Estamos aguardando ansiosos, mas é muito difícil ter um lucro realmente alto hoje em dia. Acredito que a produção cresça em torno de 20%, mas estamos correndo atrás e estamos abertos a qualquer candidato e a qualquer partido. Quem sabe não poso me surpreender este ano com a demanda”, estima o diretor do estabelecimento.

Assim como na Grafinick, a Ziló pretende contratar mais funcionários quando as encomendas começarem. “Como ainda não temos nada certo, é difícil estimar quantidade, mas vamos contratar mais funcionários com certeza”, informa. Quanto a estender o turno, no entanto, a postura já é diferente: “apenas se houver uma demanda sobrenatural. Acredito que apenas mais funcionários consigam resolver a demanda a mais”.

Preços e pagamento

Nenhuma das gráficas entrevistadas soube estimar o preço dos produtos mais pedidos pelos candidatos. De acordo com a gerente e o diretor, o valor é muito relativo. “Depende do tipo de papel, do tipo de arte, da impressão, da quantidade, enfim, são muitas variáveis. Só dá pra falar de valores com a proposta”, explica Albaniza Lira.

Em relação ao pagamento, a gerente também frisou que é importante manter uma postura séria desde o início para não sair no prejuízo. “É preciso ficar muito esperto em relação à cobrança”.

publicidade
publicidade
Bolsonaro e Paulo Guedes se contradizem ao falar sobre Zona Franca de Manaus
Jerônimo Antunes renuncia do cargo no Conselho da Petrobras
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.