Publicidade
Cotidiano
Notícias

Eleições oferecem oportunidades de lucro para investidores

Pesquisas de intenção de voto causam oscilação no valor das ações, tornando previsível o comportamento de alguns papéis, mas recomenda-se cautela 12/10/2014 às 15:36
Show 1
Para analista Américo Batista, estatais estão sujeitas às variações decorrentes das pesquisas
Alik Menezes Manaus (AM)

A indefinição sobre quem será o novo presidente do Brasil afeta diretamente o mercado de capitais. O sobe e desce dos candidatos nas pesquisas de intenção de voto causa rápida volorização - ou desvalorização - de diversas ações. Como esse movimento vem seguindo um padrão, o comportamento de certos papéis na Bolsa de Valores torna-se mais previsível, ideal para investidores que não têm medo de arriscar.

O investidor que acompanha o cenário financeiro pode se dar bem, mesmo em meio às incertezas. Quando é divulgada uma pesquisa eleitoral em que a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff está na frente, várias ações  na Bolsa, principalmente de estatais, são automaticamente desvalorizadas. Em contrapartida, quando o candidato Aécio Neves supera Dilma, as ações são valorizadas. Se encontrar o timing certo, o investidor pode tirar vantagem desse padrão.

É claro que sempre será uma aposta; qualquer fato novo na campanha pode mudar completamente a tendência de uma hora para outra, causando perdas. “Quando a Marina [Silva, candidata do PSB] começou a despontar, a Bolsa começou a subir. Subiu Petrobras e o dólar se manteve. Quando Dilma começou a crescer nas pesquisas, a Bolsa voltou a cair, a Petrobras também. Foi uma queda muito forte e em poucos dias”, analisa Américo Batista, da Ação Investimentos, corretora sediada em Manaus.Batista destacou que os melhores papéis para se investir - diante da expectativa de uma subida de Aécio nas pesquisas - são de estatais como Petrobras, Vale do Rio Doce e Banco do Brasil. “As empresas diretamente ligadas ao Governo são as que podemos investir para ter retorno em curto prazo”, disse.

Prudência

Mesmo com as estatais sendo boas apostas, Batista orienta que o investidor seja prudente e que o melhor, e bem menos arriscado, é aguardar o resultado do segundo turno. “O mercado financeiro espera que o governo mude, porque a esperança é que, se o governo mudar, haverá mudança em todo o cenário da política econômica brasileira. Sai ministro, sai presidente do Banco Central. O mercado, hoje, não gosta da política econômica do País e isso compromete os investimentos. O cenário, hoje, é de incerteza total para investimentos a longo prazo”.

De acordo com Batista, os especialistas cogitam que o resultado da eleição afetará, significativamente, o cenário econômico no que diz respeito à Bolsa de Valores. “A gente estima que, se a Dilma ganhar, a Bolsa vai cair para 45 mil pontos. 45 foi o mínimo que já houve na história. Hoje está em mais de 50. Mas, se a Dilma perder, a bolsa pode chegar em 70 mil pontos, que foi o máximo que a bolsa já atingiu no Brasil”, disse.

Cenário arriscado



Para o economista Alex Del Giglio, o período não é favorável para altos investimentos e tudo precisa ser muito bem analisado. “Nesse período de indefinição eleitoral, é muito arriscado fazer qualquer tipo de investimentos”, disse Giglio.

Giglio argumenta que, para ter lucros, o investidor precisa correr riscos, mas o cenário atual não é animador. “Quanto maior o risco, maior será o lucro, mas o preço pago se o investimento não for bem sucedido é muito alto. O prejuízo pode ser imenso”, disse.Hoje, em meio ao sobe e desce das pesquisas, o melhor é investir em Letras de Crédito Imobiliário e Letras de Crédito do Agronegócio. “Com LCI e LCA, o investidor corre menos riscos”, disse. 

O investidor que acompanha sempre o cenário econômico deve ficar mais atento, ainda mais quando são divulgadas pesquisas de intenção de voto. “Quando uma pesquisa é divulgada, e um determinado candidato está à frente, as ações disparam”, disse.“Nenhum analista do mercado atual consegue dizer qual é o melhor momento para se vender essas ações. Tudo depende de quem será o presidente”, finalizou.

Publicidade
Publicidade