Publicidade
Cotidiano
Notícias

Eleitores do interior votarão pela primeira vez pelo sistema biométrico, que deve custar mais

Mesmo com toda tecnologia envolvendo o processo, a presidente do TRE acredita que haja morosidade neste pleito. Mais de 170 mil votantes são esperados nas urnas das sete zonas do interior do Estado 04/10/2014 às 14:14
Show 1
A leitura digital promete agilizar a votação nas eleições
denir simplício Manaus (AM)

As eleições de 2014 marcarão a arrancada para um novo modelo de votação que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pretende implantar em todo País no próximo pleito. O recadastramento biométrico ocorreu em sete municípios do Amazonas e a expectativa é de que o novo sistema seja bem aceito pelos votantes. Mesários receberam treinamento específico para que não haja maiores problemas nas eleições de domingo (5).

A leitura digital promete agilizar a votação nas eleições. No entanto, isso deve acontecer em longo prazo, a desembargadora presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), Socorro Guedes, acredita que como o sistema é uma novidade, poderá ser um pouco mais lenta que a habitual. Os 177.607 eleitores dos sete municípios que passaram pelo recadastramento biométrico, provavelmente, terão um pouco mais de dificuldade em lidar com o sistema que será implantado futuramente em todo o País.

A Justiça Eleitoral do Amazonas iniciou os trabalhos de recadastramento biométrico no dia 22 de abril de 2013. O intuito é dar mais rapidez no atendimento ao eleitor, trazendo mais segurança ao processo eleitoral. O município de Presidente Figueiredo (localizado a 117 quilômetros de Manaus) foi o primeiro a fazer uso da tecnologia de identificação digital.

Mais seis municípios da Região Metropolitana também passaram pelo procedimento, foram eles: Careiro da Várzea, Itacoatiara, Iranduba, Novo Airão, Manacapuru e Rio Preto da Eva. Em todas as cidades descritas, a leitura biométrica será utilizada no processo eleitoral deste ano.

Manaus, apesar de possuir mais de 50% do eleitorado do Amazonas, ficou de fora da primeira fase do cadastramento. A intenção do TRE-AM é cadastrar os eleitores da capital após as experiências obtidas nas cidades do interior. Portanto, pelas previsões, Manaus deve contar com o uso do procedimento a partir de 2015, para votar biometricamente nas eleições municipais de 2016.

Mesários receberam treinamento diferenciado

Os mesários dos municípios onde o novo sistema funcionará receberam treinamento específico e receberam uma cartilha diferenciada. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou um curso online para as pessoas que irão trabalhar nos locais onde a biometria será realizada.   

Em caso de algum problema com o equipamento utilizado nas seções, haverá a reposição por um instrumento reserva que ficará a disposição no mesmo local. Pelo menos 15% dos eleitores de todo o País, cerca de 21 milhões de pessoas, usarão o novo sistema.

Eleitores na expectativa com novo sistema

Os votantes das zonas eleitorais dos sete municípios que usarão a biometria, falaram sobre a expectativa da eleição em suas cidades. A maioria acha que não haverá lentidão no dia do pleito, mas temem pelos outros eleitores que podem se atrapalhar no momento da leitura das digitais.

“Creio que não haverá morosidade na eleição. Pelo menos no dia em que eu fiz o meu recadastramento, foi bem rápido. O temor das pessoas é por conta de ser um modelo novo de votação. Existe o caso das pessoas mais idosas que geralmente são mais lentas. Mas eu, como já estou acostumado com tecnologia, devo votar em um minuto, no máximo”, comentou Arivelton Ferreira Marical, técnico ambiental, que vota em Manacapuru.

Marical ainda salientou sobre a lisura do sistema implantado pelo TRE. “Acredito que com o sistema de leitura digital, o pleito será mais seguro. Haverá mais transparência nas eleições e os casos de pessoas que votavam com títulos de outras pessoas não vão mais ocorrer”, completou.

A professora Karla Sousa Farias, que vota no município de Presidente Figueiredo, pensa que o novo sistema aumentará o tempo na hora da liberação da urna. No entanto, o problema será a quantidade de candidatos que o eleitor terá de escolher na hora do voto. Serão cinco escolhas e o tempo de cada pessoa nas urnas deve variar muito.

“Vou chegar cedo, como faço em todas as eleições. A minha seção fica perto de casa e acho que a leitura digital será rápida, o problema é que muita gente se enrola na hora de digitar os números dos candidatos. Isso atrapalha. Por isso, anoto o número dos meus candidatos e não perco tempo”, afirmou a eleitora.

Sistema em 762 cidades brasileiras

A identificação biométrica será usada em 762 municípios brasileiros, incluindo 15 capitais. Em estados como Alagoas, Amapá e Sergipe e no Distrito Federal, a revisão biométrica alcançou todo o eleitorado. Em algumas cidades, como Florianópolis, em Santa Catarina e Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, a identificação de eleitores será mista, com a biometria e o método tradicional.

A recomendação do TSE para acelerar a votação é que o eleitor imprima o documento disponibilizado no site do órgão para anotar o número de seus candidatos e leve a “cola” para a urna. Para as eleições de 2018, a meta é que todos os eleitores sejam identificados pela biometria.

Publicidade
Publicidade