Muito Dinheiro

Em ano eleitoral, ALE-AM vai para as ruas e planeja gastar 2,5 mi em palco, som e iluminação

Ata de registro de preço do serviço (licitação) foi publicada na edição de quinta-feira do Diário Eletrônico da ALE-AM

Giovanna Marinho
10/12/2021 às 19:43.
Atualizado em 08/03/2022 às 19:49

(Foto: Reprodução)

A Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) pretende pagar R$ 2,5 milhões para duas empresas pelo fornecimento e montagem da estrutura física (palco, iluminação e sonorização) do projeto de sessões itinerantes, reuniões externas em bairros de Manaus e municípios do interior, que devem turbinar a campanha dos deputados estaduais em ano de reeleição. A ata de registro de preço do serviço (licitação) foi publicada na edição de quinta-feira do Diário Eletrônico da ALE-AM. 

O projeto, no entanto, ainda não foi divulgado ao público pela presidência da Casa. A reportagem questionou à ALE-AM quando a proposta irá para às ruas, quais municípios serão visitados e quanto tempo será posto em prática, mas até o momento os detalhes não foram informados pela Diretoria de Comunicação da Casa. A CRÍTICA não conseguiu contato com o presidente da ALE-AM Roberto Cidade.

O contrato com as empresas HG Service Produções de Eventos Ltda e Alpha Produções de Eventos Ltda prevê os serviços de locação de equipamentos de iluminação, sonorização e estruturas de suporte, com montagem e desmontagem, para atender demanda do projeto Assembleia Itinerante.

Os maiores valores serão para o aluguel de um palco modulado medindo 14 metros de largura, por 10 metros de altura e altura de 1,80 metros, no valor de R$ 723 mil. É planejado também o aluguel de um tablado que somente de largura é equivalente a um prédio de 6 andares e pode custar até R$ 742,5 mil, por 30 dias.

Juntos somente esses dias totalizando mais de R$ 1,4 milhões, cerca de 41% do contrato. Outra opção de tablado pode acrescentar ao gasto mais R$ 367 mil. Há previsão ainda do aluguel do equipamento de iluminação do valor de R$ 258 mil.

Na lista também conta a intenção de aluguel de uma lona que tem valor global de R$ 120 mil e de um sistema Linearray completo, que são um tipo de caixa de som de alta frequência. Esse produto pode ser alugado pela ALE-AM por R$ 260,7 mil.

A partir de meados dos anos 2000, na gestão do ex-presidente Belarmino Lins (PP), a ALE-AM realizou sessões itinerantes em bairros de Manaus e municípios do interior do Amazonas, como Lábrea, Manicoré, Tefé e outros. Também há registro desse tipo de evento em outras gestões, como as de Ricardo Nicolau e de Josué Neto.

Em 2019, o deputado Belarmino Lins enviou requerimento ao então presidente da Casa, Josué Neto para a volta das sessões plenárias nos municípios. “Entendemos que o retorno das reuniões itinerantes, além dos imensos benefícios que elas proporcionam aos municípios, será determinante para melhor processo de conscientização e identificação dos novos parlamentares estaduais”, argumentou.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
© Copyright 2022Portal A Crítica.Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por
Distribuído por