Sábado, 20 de Abril de 2019
publicidade
GREVE.JPG
publicidade
publicidade

CRISE

Parlamentares amazonenses discutem crise dos combustíveis em Brasília

Os reflexos do nono dia da greve dos caminhoneiros se espalharam por todo o Brasil, muito além dos pontos de bloqueio nas rodovias


30/05/2018 às 10:03

A Câmara dos Deputados realiza nesta terça-feira (29) uma comissão geral para debater os sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis no País. Os parlamentares querem, de uma vez por todas, acabar com o momento de incertezas que vive o Brasil.

Representante do Estado do Amazonas, a deputada federal Conceição Sampaio (PSDB-AM) destaca que mais uma vez a população se sente lesada com o momento difícil que o País enfrenta. Para ela, a greve dos caminhoneiros só trouxe à tona aquilo que a sociedade já vem enfrentando todos os dias: preços abusivos na hora de abastecer o seu veículo.

“Infelizmente, ninguém pode nos dar mais a certeza de que iremos acordar amanhã sem ter um novo preço estabelecido nas bombas de combustíveis. Iremos hoje, através do ministro Carlos Marun, cobrar previdências enérgicas sobre este assunto”, declara a deputada.

Nas palavras de Conceição Sampaio, “não temos mais o dia de amanhã para esperar”. A deputada pede urgência na solução deste problema e diz que a população precisa de preços acessíveis e justos.

“Amanhã nós podemos acordar com o país parado, esperamos que isso não aconteça e lutaremos para isso. Nesse momento, não existem culpados, o que nós precisamos é nos unir para trazer a solução que a população brasileira merece receber”, destaca.

 Impactos da greve

Os reflexos do nono dia da greve dos caminhoneiros se espalharam por todo o Brasil, muito além dos pontos de bloqueio nas rodovias. Esses efeitos são variados. As ações da Petrobras caíram – no Brasil e no exterior. Foi preciso adotar uma solução “criativa” de escolta para garantir o abastecimento de combustível em aeroportos e empresas de ônibus. E há ainda os preços abusivos em postos de combustíveis, que podem gerar multas a empresas.

Em algumas capitais, o combustível começou a chegar em parte dos postos. Com escolta policial, caminhões-tanque saíram de distribuidoras para abastecer postos em estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Maranhão e Paraíba, além do Distrito Federal. Centros de distribuição de alimentos também começaram a receber produtos e a oferta de transporte público também deu sinais de melhora.

 Acordo

No último domingo, 27, o governo federal anunciou a redução do preço do diesel na bomba em R$ 0,46 centavos por litro, por 60 dias. O Planalto concordou ainda em eliminar a cobrança do pedágio dos eixos suspensos dos caminhões em todo o País, além de estabelecer um valor mínimo para o frete rodoviário.

Ontem, o Congresso Nacional recebeu as três medidas provisórias assinadas pelo presidente Michel Temer que resultaram do acordo com os caminhoneiros para pôr fim à greve nacional iniciada no dia 21. As MPs reservam parte do frete da Conab para caminhoneiros autônomos, preveem a fixação do preço mínimo do frete e dispensam o pagamento de pedágio do eixo suspenso de caminhões.

*Com informações da assessoria de comunicação.

publicidade
publicidade
Paulo Guedes deixou claro que não acaba com a ZFM porque é lei mas vai matá-la à míngua, diz senador
Presidente do Sinteam explica reivindicações dos professores em greve
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.