Terça-feira, 04 de Agosto de 2020
POSSE

Em sessão solene virtual, Domingos Chalub assume a presidência do TJAM

O desembargador irá dirigir a Corte durante o biênio 2020/2022. A vice-presidência da casa ficou com a desembargadora Carla Maria Santos dos Reis



8226989159_a504e753b0_h_EF580E16-0000-46A5-8CD4-211BD3AF94B4.jpg Foto: Reprodução/Internet
03/07/2020 às 13:35

O desembargador Domingos Jorge Chalub Pereira assumiu hoje (3), a presidência do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A Sessão Solene de Posse dos novos dirigentes da Corte, para o biênio 2020/2022 ocorreu de forma virtual e foi transmitida via internet.

A desembargadora Carla Maria Santos dos Reis tomou posse como vice-presidente e a desembargadora Nélia Caminha Jorge como corregedora-geral de Justiça.



O evento que tradicionalmente reúne um grande número de autoridades e convidados, teve virtualmente a presente da sessão o governador Wilson Lima (PSC), o presidente da Assembleia Legislativa Josué Neto (PRTB), o prefeito de Manaus Artur Neto (PSDB), presidente da Câmara Municipal de Manaus, Joelson Silva (Patriota) e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional do Amazonas, Marco Aurélio Choy.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Eustáquio Soares Martins e o ministro do STJ, Mauro Campbell Marques também estiveram no evento.

Os novos dirigentes do TJAM foram escolhidos em sessão realizada, também por meio de videoconferência, no dia 14 de abril deste ano. Eles irão suceder o desembargador Yedo Simões de Oliveira (presidente), Wellington José de Araújo (vice-presidente) e Lafayette Carneiro Vieira Júnior (corregedor-geral), que dirigiram a Corte nos últimos dois anos.

“Estou cercado de duas fadas”, disse Chalub. “Tenho uma confiança que vou ficar com o poder político/administrativo do Tribunal de Justiça e a operacionalidade será das minhas fadas Carla Maria Santos dos Reis e Nélia Caminha Jorge”,

O presidente afirmou em seu discurso que promessas são coisas de campanha partidária. “Vou na minha administração procurar vitaminar e fortalecer o que eu chamo da musculatura do Tribunal de Justiça do Amazonas que são os servidores e principalmente os servidores concursados”, defendeu.

“Não existe amizade entre presidente da Assembleia, governador e presidente do Tribunal. Existe respeito. Josué Neto e Wilson Lima podem ter confiança de que não será amizade, mas, empatia e diálogo”, disse Chalub.

“Não vou fazer uma prestação de contas antecipada. Temos que nos focar não em superar, mas em pelo menos minimizar os efeitos da peste que a ciência chamou de covid-19. Primeiro vou procurar homologar o concurso público que o tribunal resolveu por suspender sua homologação. Não vou esvaziar esse assunto”, salientou.

“Estamos administrando para saber o que se recebe e o que se vai pagar. Porque o artigo 37 Constituição Federal quando fala de improbidade e moralidade, não cita a moral ideológica, e sim, a moralidade do alcance implicado com a probidade para não se praticar erros na administração financeira a que o poder se propõe”, explicou.

Maria Luiza Dacio
Repórter do Caderno A do Jornal A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.