Publicidade
Cotidiano
Notícias

Em um mês, vereadores de Manaus gastaram R$ 17 mil da Ceap com restaurantes

No mês de fevereiro, 12 dos 41 vereadores do Parlamento municipal usaram R$ 17 mil da cota com comida em restaurantes badalados da cidade 20/03/2015 às 20:48
Show 1
Em apenas um mês, 12 dos 41 vereadores da Câmara de Manaus declararam ter gasto R$ 17 mil com comidas em restaurantes
Janaína Andrade Manaus (AM)

Na contramão das discussões para reduzir os gastos públicos, em meio à crise econômica e política que vive o Brasil, os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) não estão poupando nos gastos com alimentação. Com as bênçãos da Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), o roteiro gastronômico dos parlamentares - que custou R$ 17 mil somente em fevereiro - vai desde restaurantes de culinária italiana e japonesa a churrascarias e pizzarias em áreas nobres da capital.

No mês de fevereiro, com base nas planilhas disponíveis no site da Câmara Municipal, o líder do prefeito na Casa Legislativa, Elias Emanuel (PSB), que está em seu terceiro mandato consecutivo como vereador, utilizou, parte do Cotão, como popularmente é conhecida a verba, para custear refeição no valor de R$ 504,30 na Galeteria La Farruca, localizada na rua Pará, bairro Vieiralves.

Elias também usou a verba para comer no restaurante japonês Shi Suzuran, na rua João Valério, Vieiralves. Para isso, o líder de Artur Neto usou R$ 313,80 da verba. A Ceap foi utilizada pelo vereador, com alimentação, em outros três locais, são eles: Panificadora Serpan (R$ 48); Restaurante Maravilha (R$ 550); Restaurante Pontos da Refeição (R$ 152). No total, o parlamentar usou R$ 1.586,01 com refeições, amparado pela Ceap.

Possuindo em seu currículo político três mandatos como vereador, um como vice-prefeito e dois como deputado estadual, o vereador Mário Frota (PSDB), auxiliado pela Ceap, em fevereiro, gastou R$ 1.441,21 com refeição, sendo R$ 303,60 durante uma refeição no restaurante Casa do Mario, localizado na rua Rio Madeira, bairro Vieiralves, que é especializado em frutos do mar; R$ 100,21 na churrascaria Tropeiro; R$ 412 na peixaria Amazônico; e R$ 624 na também peixaria Murupi.

Já o calouro na carreira política, o vereador Professor Samuel (PPS), utilizou a Ceap  para custear refeição no valor de R$ 68,40 no restaurante e lanchonete Giraffas do Manauara Shopping, e R$ 53,55 na Pizzaria Tabule, localizada na rua Pará, bairro São Geraldo.

Samuel usou o Cotão ainda para pagar comida no “Panela Cheia” (R$ 100) e mil reais no restaurante identificado apenas pelo nome empresarial: J. B. de Queiroz e Silva. No total, o parlamentar utilizou R$ 1.221 da Ceap com refeições.

O presidente da CMM, vereador Wilker Barreto (PHS) defendeu que deve existir “bom senso”. “A lei que instituição a Ceap não fala de restaurante com preços mais altos ou menores, mas acho que deve valer a lei do bom senso”, disse.

Além de Samuel, outros cinco parlamentares, em fevereiro, foram amparados pela Ceap para pagar refeições no restaurante J.B de Queiroz e Silva, que de acordo com o site da Receita Federal, fica localizado na rua Cinco de Abril, bairro Santo Antônio, zona Oeste de Manaus, são eles: Amauri Colares (Pros), Joãozinho Miranda (PTN), Professor Bibiano (PT), Wilker Barreto (PHS) e Ewerton Wanderley (PSDB).

Liderando os gastos com o restaurante J.B de Queiroz e Silva, o presidente da Casa, vereador Wilker Barreto, em fevereiro, pagou R$ 1.750 pelo fornecimento de alimento no local. Seguido do vereador Ewerton Wanderley, que pagou R$ 1.540; Amauri Colares, R$ 1.500; Professor Bibiano, R$ 1.250; Joãozinho Miranda, R$ 570.

‘Maravilha’ lucra R$ 5,7 mil

O “Restaurante Maravilha”, localizado na rua Vale do Sol, bairro Colônia Terra Nova, atendeu, em fevereiro, a quatro vereadores: Everaldo Farias (PV), Francisco Jornada (PDT), Socorro Sampaio (PP) e Luis Mitoso (PSD).

Dos 12 vereadores que utilizaram, no mês de fevereiro, a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) com alimentação, Everaldo Farias, que é deputado de primeiro mandato, foi o campeão em gastos. No total, Everaldo pagou R$ 2.850 ao “Restaurante Maravilha”.

Francisco Jornada, vereador de segundo mandato, sustentado pelo Cotão, pagou R$ 1.200 ao Maravilha. Socorro Sampaio, também com dois mandatos, desembolsou, por meio da Ceap, mil reais. Vereador pelo PSD, Luis Mitoso, auxiliado pelo Cotão, pagou ao Restaurante Maravilha R$ 740.

No terceiro mandato como vereador, Waldemir José (PT), que pertence a bancada de oposição da Casa Legislativa, pagou ao “Kilomania”, restaurante tradicional no bairro da Aparecida, R$ 500,  no mês de fevereiro, amparado pela Cota.

Gastos de Ceap em fevereiro

Em fevereiro, 37 dos 41 vereadores da CMM utilizaram R$ 482,4 mil  da Cota para o Exercício de Atividade Parlamentar (Ceap). O levantamento foi feito com base nas planilhas disponíveis no site da Casa Legislativa. A Ceap é uma ‘verba indenizatória’, ou seja, é paga para ressarcir o vereador que paga pelo produto/serviço.

Publicidade
Publicidade