Publicidade
Cotidiano
Notícias

Empresa do PIM faz doação de roupas e alimentos às vítimas da cheia no Amazonas

Funcionários da Samsung conseguiram arrecadar sete mil peças de roupas e 300 quilos de alimentos para a campanha SOS Ribeirinhos da Defesa Civil 26/05/2015 às 16:57
Show 1
As doações foram arrecadadas pelos funcionários da empresa, no período de 19 a 26 de maio
acritica.com ---

A multinacional Samsung Eletrônica da Amazônia entregou, nesta terça-feira (26), sete mil peças de roupas e 300 quilos de alimentos para a campanha SOS Ribeirinhos, da Defesa Civil do Amazonas. As informações são da assessoria da imprensa da empresa.

As doações foram arrecadadas pelos funcionários da empresa, no período de 19 a 26 de maio. Conforme informações da assessoria, a Samsung é a primeira fábrica do Polo Industrial de Manaus a fazer doações para as vítimas da enchente deste ano. A Defesa Civil do Amazonas informou que os itens arrecadados na Samsung serão enviados para os locais afetados na região do Médio Solimões.

Entre os itens arrecadados estão, arroz, feijão, macarrão, leite, café, farinha, açúcar e varias peças de roupa. A iniciativa foi liderada por representantes internos dos funcionários da Samsung, os agentes GWP (Great Work Place - Grande Lugar de Trabalho), que este ano já realizaram ações de voluntariado em 13 instituições de Manaus com a mobilização de mais de 600 funcionários e benefício para mais de 1.400 pessoas. 

O secretário da Defesa Civil do Amazonas, coronel Roberto Rocha, informou que após a triagem as doações serão entregues às famílias que moram nos municípios atingidos. “Nós acreditamos muito na solidariedade das pessoas e todas as doações são bem vindas e vão ajudar essas famílias que tanto têm sofrido com a enchente”, declarou. 

Segundo dados da Defesa Civil,154.057 mil pessoas já foram afetadas pela enchente dos rios. Até o momento, 23 municípios estão em situação de emergência, cinco em estado de alerta e Boca do Acre, no rio Purus decretou calamidade pública. Benjamin Constant, na calha do Alto Solimões, em emergência desde março, está sendo avaliado por técnicos do órgão para que seja decretado estado de calamidade pública.

Publicidade
Publicidade