Publicidade
Cotidiano
ECONOMIA EFICIENTE

Empresário investe em energia solar e aposta no retorno econômico e ambiental

A distribuidora de alimentos Bonna Vitta é a primeira empresa a instalar o sistema de energia On Grid (energia renovável conectada à rede elétrica) em Manaus 21/10/2018 às 09:17
Show bona vitta a44c5b32 bf3b 4d31 aa3d 2bc6a16ccc47
Distribuidora de alimentos Bonna Vitta foi a primeira empresa a instalar o sistema de energia On Grid, um sistema de geração de energia renovável conectada à rede elétrica em Manaus. Foto: Luiz Eduardo Grigoletto/Divulgação
Rebeca Beatriz Manaus (AM)

Além de ser uma preocupação dos adeptos ao consumo consciente, reduzir os danos para o meio ambiente também traz benefícios para o bolso. Ideias e projetos para salvar o planeta ganham destaque na era contemporânea, movimentando o mercado sustentável com meios menos agressivos de produzir energia elétrica. 

De acordo com a Organização das Nações Unidas  (ONU), desde 2004 o mundo investiu cerca de US$ 2,9 trilhões neste setor. Aqui no Amazonas,  os primeiros passos para ampliar a oferta de energia renovável começam a ser dados. A distribuidora de alimentos Bonna Vitta, por exemplo, é a primeira empresa a instalar o sistema de energia On Grid (energia renovável conectada à rede elétrica) em Manaus. Ainda em fase de testes, o sistema irá reduzir em até 30% a conta de luz.

O proprietário do local, Devanei Grivoletto comemora o avanço, mesmo que de forma tímida e destaca que Manaus ainda está muito atrás de grandes cidades. “Conhecemos o sistema e a operacionalidade em várias partes do mundo. É possível afirmar que nós estamos muito atrasados. Estamos engatinhando, e temos um grande potencial. As pessoas ainda têm receio na hora de investir, pois é preciso estar bem capitalizado. O investimento é alto e o processo burocrático, mas financeiramente viável”, resume.


Devanei Grivoletto comemora o avanço e espera uma economia significante. Foto: Euzivaldo Queiroz

O professor doutor em Engenharia Elétrica da UEA, Cláudio Gonçalves, afirma que a questão merece visibilidade. “A utilização desse tipo de energia é viável no Amazonas, mas precisamos de mais incentivos na área” diz. Já o diretor técnico da Eneergia, André Luís acredita na viabilidade econômica do sistema. "Comparo o investimento em energia solar ao investimento na compra de uma casa própria: você adquire um sistema de geração própria e deixa de pagar o 'aluguel' para a distribuidora de energia, pagando apenas taxas mínimas de uso”, compara.

Redução de Custos

A ampliação da oferta resultaria em uma conta de energia mais barata, e mais investimentos na área, gerando lucros dentro desse mercado. Para o diretor comercial da Eneergia, empresa especializada em soluções de energia elétrica, Manoel Martins, a economia do Estado poderia crescer caso houvesse um impulso maior nos investimentos.

“O Amazonas possui um grande potencial de crescimento da energia solar, pela ótima irradiação solar e pela energia extremamente cara cobrada por nossa distribuidora. Os clientes que investiram em energia solar conquistaram a liberdade energética”, afirma.

Nova Tendência

A MRV Engenharia é pioneira na construção de empreendimentos com o sistema de energia solar e pretende ampliar a oferta nos próximos quatro anos, conforme destaca o coordenador de vendas do grupo, Thiago Cerqueira.

“Temos placas de energia solar no telhado de todos os blocos das nossas 300 unidades do novo empreendimento, o que deve abater até 80% do consumo de energia elétrica do condomínio. Até 2022 todos os nossos empreendimentos terão energia solar”, comenta.

O professor  doutor do Departamento de Eletrecidade  da Ufam, Helder Cruz, reforça a necessidade de incentivos. “Vale a pena e é preciso investir pesado neste seguimento. Ganham as empresas, ganham as pessoas e ganha o meio ambiente”.

A energia solar está presente em residências, empresas, comércios, indústrias, usinas e outros projetos como escolas e campos de futebol. Vale lembrar da existência de um convênio da Aneel que isenta o ICMS para quem produz energia solar. O Amazonas ainda não assinou esse documento, dificultando o crescimento desse mercado.

Publicidade
Publicidade