Publicidade
Cotidiano
INTERIOR

Escola municipal em zona rural de Iranduba está sem professores

Também falta transporte e, agora, merenda. Problemas se arrastam desde o início do ano e ficaram pior nos últimos mese 27/05/2017 às 05:00
Show whatsapp image 2017 05 26 at 16.30.25
Não há transporte para alunos do turno noturno. E o transporte para os alunos dos turnos matutino e vespertino é precário (Foto: Divulgação)
Silane Souza Manaus (AM)

Alunos da Escola Municipal Dona Mieko, na estrada do Caldeirão, em Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus), enfrentam problemas para estudar devido à falta de professores, transporte e merenda. A situação, de acordo com os moradores da região, se arrasta desde o início do ano e ficou pior nos últimos meses. Estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) estão sem aulas desde a última quinta-feira. 

A estudante Tamara Almeida, 32, contou que a pedagoga e a diretora da escola era quem estavam dando aula para os alunos do turno noturno, uma vez que um professor teve que fazer uma cirurgia e a Secretaria Municipal de Educação de Iranduba (Semei) não mandou ninguém para substituí-lo. “Uma delas não aguentou, porque vinha trabalhando nos três horários, e desistiu e nós ficamos sem aula”, disse. 

Os alunos da noite já estavam sem transporte, conforme a moradora da comunidade Caldeirão. E, a partir do próximo dia 30, ficarão sem merenda porque a merendeira vai para o turno da tarde, que está sem esse tipo de profissional. A situação dos estudantes dos turnos matutino e vespertino também não é uma das melhores. Falta professores para eles também e o transporte é precário, vive deixando-os na mão. 

A escola perdeu pelo menos cinco professores, de acordo com Tamara, e os alunos deles foram absorvidos por outras turmas deixando as salas de aula superlotadas. Tamara Almeida disse que procurou a secretaria de educação e a prefeitura de Iranduba e a informação que recebeu foi a de que na próxima segunda-feira será dada uma reposta. “É sempre assim: a gente recorre a um e outro e diz que vão tomar atitude e nunca tomam. 

Sem repostas
A CRÍTICA tentou contatar a Secretaria Municipal de Educação de Iranduba, para saber o posicionamento da pasta sobre os problemas apontados pelos estudantes da Escola  Dona Mieko, mas não conseguiu contato até o fechamento desta edição.

Capital também sofre com o problema

Os problemas com a falta de professores também estão nas escolas da rede pública de ensino de Manaus. De acordo com educadores, na Escola Municipal Ana Mota Braga, no bairro São Francisco, Zona Sul, o fechamento de turmas tem gerado superlotação das salas remanescentes que absorvem os alunos, as quais ficam com mais de 40 estudantes dificultando o processo de ensino-aprendizagem. O mesmo método, conforme os professores, tem sido registrado em outras unidades da rede. 

Questionada, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou que a medida faz parte de um reordenamento realizado após o final do primeiro bimestre, momento em que foram excluídas vagas não ocupadas durante o processo de matrícula, ou após transferências e mudanças de qualquer cunho de alunos para outra escola, ou rede de ensino. Por conta disso, são consideradas as necessidades e realidade de cada unidade, com o objetivo de atender em contento as demandas de estudantes que possam vir a procurar a rede durante todo o ano.

Na Escola Municipal Ana Mota Braga, havia duas turmas de 6° ano com 9 e 12 alunos, respectivamente. Por conta disso, os estudantes foram remanejados para as quatro turmas existentes que passaram a ter média de 40 alunos, o que atende a capacidade pedagógica. Mesmo assim, ainda está em fase de abertura uma nova turma de 6° ano caso haja novas demandas para a escola, ou caso a gestão escolar sinta necessidade de fazer novo remanejamento de estudantes do local.

Publicidade
Publicidade