Publicidade
Cotidiano
Notícias

Escolas particulares de Manaus terão reajuste médio de 10% na mensalidade em 2014

Instituições já informam novo valor aos pais; índice chega ao dobro da inflação oficial projetada neste ano 12/11/2013 às 07:48
Show 1
Colégio La Salle abriu processo de rematrícula de seus alunos para o ano letivo de 2014
ACRÍTICA.COM Manaus, AM

<!--v\:* {behavior:url(#default#VML);}o\:* {behavior:url(#default#VML);}w\:* {behavior:url(#default#VML);}.shape {behavior:url(#default#VML);}--><!--v\:* {behavior:url(#default#VML);}o\:* {behavior:url(#default#VML);}w\:* {behavior:url(#default#VML);}.shape {behavior:url(#default#VML);}-->

As escolas particulares de Manaus já começaram a divulgar aos pais dos alunos o valor do reajuste na mensalidade para 2014. De acordo com pesquisa feita pela reportagem de A Crítica em algumas instituições, o aumento pode chegar a 10%. Esse índice é praticamente o dobro da inflação oficial projetada para 2013, que é de 5,84%.

O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM), Paulo Ribeiro, lembrou que o cálculo do reajuste é feito sobre o total da anuidade do ano anterior (a soma da matrícula e das mensalidades), considerando a variação dos custos da escola de um ano para o outro. “Entretanto, é preciso que pais levem em conta a proposta pedagógica da escola e não somente o reajuste”, disse.

No Colégio La Salle, por exemplo, o reajuste vai de 8,92% a 9,93%, de acordo com a série do aluno. A menor mensalidade no La Salle será de R$ 753, para alunos de 1º ao 4º ano do Ensino Fundamental. A maior ficará em R$ 904 referente a alunos do 3º ano do Ensino Médio.

Segundo o diretor da instituição, Flávio Azevedo, como a escola está destinando a quantia de R$ 1,3 milhão em reformas no próximo ano, terá novos gastos e demandas. Entre elas, contratações de mais funcionários.

Fatores
Paulo Ribeiro, explica que não é apenas a inflação que é levada em consideração na hora de determinar o reajuste. “Há vários fatores que impactam. Entre eles, o aluguel do local, água, luz, material administrativo e, o salário do professor, este último é o que mais influencia, em maio do ano que vem será realizado a data-base dele e o reajuste já tem que prever isso”, informou.

Ribeiro afirma que cada escola tem autonomia em estabelecer seu reajuste, conforme a legislação que regulamenta a cobrança pela prestação de serviços (Lei Federal nº 9.870/1999). Entretanto não são todos os gastos que podem ser inseridos no reajuste, apenas o de manutenção da escola (impostos, folha de pagamento, gastos administrativos em geral) e investimento didático-pedagógico.

Esperado
Para a empresária, Marluce Nogueira, como acontece todos os anos, o reajuste já era esperado. “Sempre tem, não há como fugir, onde meus filhos estudam o aumento foi de 9%, mas tudo acaba tendo o preço alterado por conta da inflação, desde o material escolar, fardamento, gasolina, alimentação, então a solução é reavaliar os gastos para não deixar faltar nada”, disse.

Inadimplência
A inadimplência nas escolas particulares do Amazonas atingiu 30%, mas, segundo Paulo Ribeiro, do Sinep-AM,a tendência é que até o final do ano ela diminua, por conta das renovações de matrícula. “Há algumas instituições que estão com mais e outras até com bem menos, mas isso depende de como as escolas administram as cobranças”, apontou Ribeiro.

A “Lei do Calote” obriga as escolas a continuar prestando o serviço, mesmo com o atraso na mensalidade, impedindo a instituição de reter qualquer tipo de documentação do aluno, sendo um grande obstáculo ao bom desempenho do setor.

No final do ano, em geral, ainda segundo o Sinep, a inadimplência chega a 8%, valor que o estabelecimento de ensino não consegue mais recuperar. Entre os motivos apontados pelos pais estão o desemprego, problemas financeiros ou de saúde.

Orientações de especialista
Renata Finholdt, que é formada na área de Recursos Humanos, dá uma série de dicas para os pais que estão em busca de escola para matricular o filho. Ela recomenda que os pais relacionem as escolas, suas características e, em seguida, retirem um tempo para visitar cada uma delas. Isso implica em conhecer a sua estrutura física, corpo docente e programa pedagógico. Finholdt orienta, ainda, que, nessas ocasiões, os pais levem todos seus questionamentos anotados para se sentirem mais seguros. Depois disso, é necessário, segundo a especialista, que se converse em família sobre as escolas visitadas. Feita a opção por uma delas, é importante levar o filho para conhecê-la. A opinião dele também é importante neste momento. Também é necessário conversar com outros pais que têm seus filhos matriculados na mesma escola para saber a opinião deles a respeito do local como um todo.

<!-- /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:10.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-theme-font:minor-fareast; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}-->
Publicidade
Publicidade