Sábado, 14 de Dezembro de 2019
Notícias

Estudo revela que crianças estão consumindo mais de 70% da recomendação diária de açúcar

Na Região Norte, os três itens mais presentes na lancheira das crianças de 4 a 6 anos são alimentos de alta densidade energética e baixo valor nutricional: biscoito doce recheado, balas/pirulitos/caramelos e refrigerantes



1.jpg Segundo o estudo, um dos ‘segredos’ para evitar a obesidade infantil está na escolha dos alimentos da lancheira dos filhos
11/12/2015 às 11:30

As crianças brasileiras estão consumindo mais de 70% da quantidade de açúcar diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) - que é de 22,5 gramas - apenas nos lanches intermediários. Na Região Norte, os três itens mais presentes na lancheira das crianças de 4 a 6 anos são alimentos de alta densidade energética e baixo valor nutricional: biscoito doce recheado, balas/pirulitos/caramelos e refrigerantes.

Esses dados fazem parte do estudo inédito Nutri Brasil Infância II, que evidencia os excessos que ocorrem na alimentação infantil e contribuem com a “epidemia” de obesidade, também, entre os pequenos.



Em 2014, uma pesquisa realizada pelo AvanSesc - programa de avaliação nutricional das escolas do Sesc no País - revelou que a obesidade está crescendo entre os estudantes. Na Região Norte, por exemplo, dos 4.850 alunos entrevistados, 3,7% tinham obesidade grave, 10,2% estavam obesos, 20,8% tinham sobrepeso e 34,8% apresentavam excesso de peso. Apenas 30,3% tinham peso normal ou abaixo do normal, segundo revelou o coordenador nacional do AvanSesc, Willian Silveira.

De acordo com a pesquisa Nutri Brasil Infância II, o consumo habitual médio de açúcar proveniente de alimentos consumidos apenas nos lanches pode atingir a marca de 5,8 kg por criança ao longo de um ano. Para os especialistas, é muito açúcar para uma fase em que os hábitos alimentares estão ainda em formação.

“O estudo avaliou todas as refeições dessas crianças, mas nesta primeira fase, a prioridade foi entender no detalhe o que estava consumido no momento do lanche, pois constatamos que alimentos de alta densidade energética e baixo valor nutricional estão ocupando cada vez mais este momento de consumo”, avalia o pediatra, nutrólogo e coordenador do estudo, Carlos Nogueira, diretor do Departamento de Nutrologia Pediátrica da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

‘Vilões’

A partir do relato das mães entrevistadas, o estudo evidenciou que uma em cada três crianças come frequentemente biscoito recheado, especialmente no lanche da tarde. Somente com este alimento, as crianças já alcançariam quase 40% de todo o açúcar recomendado para o dia.

Os biscoitos doces recheados ocupam o topo da lista de consumo no lanche da tarde em quase todas as regiões brasileiras, com exceção das regiões Sul e Centro-Oeste, em que aparecem em 2º lugar, com 26,29% e 25,47% em frequência de consumo, respectivamente. Ainda, uma em cada cinco crianças, tem relato de consumo muito frequente de balas, pirulitos ou caramelos no mesmo horário.

Para o também coordenador do estudo, professor Mauro Fisberg, do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi - Hospital Infantil Sabará, os pais devem redobrar o cuidado com a lancheira dos filhos, de modo a controlar o consumo excessivo de açúcar para evitar problemas futuos à saúde deles. “Os lanches intermediários podem ser grandes aliados do bom desenvolvimento na infância, pois são uma oportunidade de consumo de nutrientes essenciais, como proteínas de boa qualidade, cereais, frutas, fibras e alguns minerais essenciais, como o cálcio”, completa.

Suco de caixa e refrigerante em excesso

Atualmente, o Brasil está entre os maiores consumidores mundiais de refrigerantes e bebidas adoçadas (especialmente sucos), e o estudo mostra que este hábito começa muito cedo: 1 em cada 10 crianças brasileiras de 4 a 6 anos consome refrigerante no lanche da tarde. O consumo habitual médio ao longo de um ano pode atingir a marca de 40 litros, apenas considerando o consumo da bebida no lanche da tarde.

E, quando o assunto são os sucos industrializados, os dados não são muito diferentes: 1 em cada 10 crianças brasileiras de 4 a 6 anos consome suco industrializado no lanche da tarde, podendo atingir, ao longo de um ano, o consumo de mais de 3kg de açúcar provenientes apenas de suco, no lanche da tarde. Considerando a frequência com que os lanches são realizados, são consumidos sucos geralmente adicionados de açúcar, ou com pouca quantidade de frutas, determinando grandes quantidades de açúcar, pouca de fibras e pouca utilização de sucos ou frutas in natura.

Dieta

O Manual do Lanche Saudável da Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que o lanche intermediário deve incluir fruta, carboidrato (biscoitos e pães integrais), proteína (leite, queijos, iogurte) e, preferencialmente, água ou sucos sem açúcar.

Pesquisa

Os dados da pesquisa foram coletados pelo Instituto Kantar Worldpanel e o trabalho avaliou a frequência habitual de consumo de alimentos entre os dias 8 de junho e 3 de julho de 2015 nas cinco regiões brasileiras. Ao todo, participaram 3.756 crianças de 4 a 11 anos, sendo 1.391 com idade entre 4 e 6 anos.

Coordenação

O estudo foi coordenado pelo Departamento de Nutrologia Pediátrica da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) e pelo Coordenador do Centro de Nutrologia e Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi, Hospital Infantil Sabará, Mauro Fisberg, com apoio da Danone.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.