Domingo, 18 de Agosto de 2019
julgamento TCE Atalaia do Norte

Ex-prefeita e ex-presidente da câmara de Atalaia do Norte condenados a devolver R$ 7 milhões

Ambos os gestores ainda podem recorrer da decisão do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas



1.png Condenação saiu durante reunião ordinária do TCE
08/05/2013 às 17:45

A ex-prefeita e o ex-presidente da Câmara Municipal de Atalaia do Norte, Anete Péres Castro Pinto e Manoel Monteiro da Silva, respectivamente, foram condenados a devolver aos cofres públicos um total de R$ 7 milhões, entre multas e glosas. A decisão foi proferida durante a 18ª sessão ordinária do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), realizada na manhã desta quarta-feira (8). Ambos ainda podem recorrer da decisão.

As sanções aos gestores do mesmo município foram aplicadas após a apreciação das contas pelo conselheiro-relator dos dois processos, o vice-presidente Josué Filho. Seus votos foram acolhidos pela maioria, que julgou como irregularidades as duas contas, ambas do exercício de 2011.

O atraso na remessa dos registros analíticos dos demonstrativos contábeis, via sistema ACP, e a sonegação de documentos durante as inspeções realizadas por técnicos do TCE, por exemplo, foram algumas das irregularidades que ocasionaram na desaprovação das contas da Anete Pinto.

Do total somado de R$ 7 milhões em multas e glosas, somente a ex-prefeita terá de recolher à Fazenda de Atalaia do Norte o montante de R$ 6,9 milhões. Em seu parecer, o conselheiro Josué Filho fixou um prazo de 30 dias para que Anete Pinto recolhesse o valor aos cofres públicos, além de ficar inabilitada pelo período de cinco anos para o exercício de cargo de comissão ou função de confiança dos órgãos da administração estadual.

Já o ex-presidente da Câmara de Atalaia do Norte, Manoel Monteiro da Silva, foi condenado a pagar R$ 68,5 mil - também entre multas e glosas – pelas irregularidades cometidas por ele, entre elas o pagamento indevido de diárias a vereadores e ausência de procedimentos licitatórios registrados no sistema ACP.

Outro gestor que teve seu processo apreciado na sessão foi o prefeito de Barcelos, José Ribamar Beleza. Ele tentava reverter, por meio de recurso de reconsideração, decisão desfavorável do pleno que julgou suas contas de 2010 irregulares e o multou em R$ 1,4 milhão. Beleza tem o prazo de 30 dias para recolher o valor à Fazenda Pública Municipal.

(*) Com informações do Departamento de Comunicação do TCE-AM


Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.