Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ex-prefeito de Guajará denuncia promotor de Ipixuna

Pedido de abertura de processo disciplinar contra promotor foi feito nesta terça-feira (16) no Ministério Público do Estado do Amazonas 17/07/2013 às 09:03
Show 1
Armando Correia de Oliveira Filho (PP), na redação de A CRÍTICA,nesta terça-feira, apresentou denúncias contra o promotor Paulo Alexander dos Santos Beriba
kleiton renzo ---

O ex-prefeito do Município de Guajará (a 1.476 quilômetros de Manaus), e ex-secretário de governo do Município de Ipixuna (1.367 quilômetros distante), na gestão da mãe, a ex-prefeita Ana Maria Farias de Oliveira (DEM), Armando Correia de Oliveira Filho (PP), protocolizou nesta terça-feira (16) no Ministério Público do Estado (MPE-AM) pedido de abertura de processo disciplinar administrativo contra o promotor de Ipixuna, Paulo Alexander dos Santos Beriba. O promotor é acusado de extorsão e coação contra a família da ex-prefeita de Ipixuna.

O ex-secretário afirma que o promotor “iniciou sua perseguição contra a família do peticionante, o que acabou culminando com o ajuizamento das ações para o único propósito de causar-lhes prejuízos”, ao ter negado pedido de empréstimo de R$ 80 mil à pretexto de comprar um sítio no município. “Ele pediu R$ 80 mil emprestado. Sempre que ele pedia dinheiro era ‘emprestado’. Mas que emprestimo é esse que nunca era pago? Não demos o dinheiro e ele começou a perseguição”, disse Oliveira Filho.

À denúncia, o ex-prefeito anexou cópias dos recibos de pagamentos de R$ 13,2 mil à agência de viagens Colibri Turismo em favor do promotor para viagens entre os meses de janeiro a setembro do ano passado às cidades do Rio de Janeiro e Brasília com saídas de Cruzeiro do Sul, no Acre.

Segundo Armando Correia de Oliveira Filho, as compras não foram com dinheiro da prefeitura e foram feitas “com receio de que o mencionado promotor de Justiça utilizasse sua condição privilegiada de custus legis para criar fatos com o calro e único propósito de lhe causar prejuízos”, diz Oliveira Filho.

Entre os documentos apresentados ao MPE-AM constam ainda sete ofícios enviados pelo promotor à Prefeitura de Ipixuna no mês de novembro de 2012 pedindo informações da prefeita Ana Maria sobre a suspeita de servidores fantasmas na folha de pagamento da prefeitura lotados na Guarda Municipal; o desvio de dinheiro das despesas com o Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) do município; despesas com limpeza pública; servidores da educação que receberam com verbas do Fundeb e a comprovação de despesas com a merenda escolar. “O que é estranho é que tudo aquilo que ele denunciava da antiga administração dizendo que era ilegal. Hoje, com a atual administração, está tudo legal”, disse Oliveira Filho.

Por telefone, o promotor do município, Paulo Alexander, disse que está de férias em Manaus e que a denúncia não tem fundamento. “Ele está fazendo isso porque sabe que eu sou uma pessoa correta e honesta. E que em virtude disso ele está tentanto me colocar impedido de ajuizar possíveis ações contra eles”, rebateu o promotor.

Três perguntas para Paulo Alexander, promotor de Justiça de Ipixuna

1º O senhor tem conhecimento da denúncia?

Eu desconheço. Estou até de férias.

2º Na denúncia o ex-secretário afirma que o senhor pediu empréstimo de R$ 80 mil e pela negação começou a perseguir a família da ex-prefeita?

Até o momento eu não ajuizei nenhuma ação contra ele porque ainda não tinha elementos para ajuizar. E se eu tiver que ajuizar eu farei. Agora eu tenho que instaurar os inquéritos e fazer meu trabalho. Eu não posso deixar de fazer esse trabalho porque pessoas não querem. Entendeu?

3º Ele anexa à denúncia uma lista de ofícios do senhor contra a prefeitura...

Deixa eu te explicar uma coisa. Em 2012 ele foi candidato, a mulher dele foi candidata em Guajará onde eu sou juiz eleitoral. Ele renunciou à candidatura dele porque estava inelegível e pediu substituição pela esposa dele. E eu acho que o jornal precisa ter cuidado com o que publica para não manchar a imagem de pessoas honestas. Eu sou uma pessoa correta e de repente uma pessoa pressionada vai jogar meu nome na lama.

Publicidade
Publicidade