Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
REPROVADAS PELO TCE

Xinaik Medeiros tem contas reprovadas e terá que devolver mais de R$ 19 milhões

Segundo o auditor-relator, conselheiro convocado Mário José Filho, foram encontradas 163 irregularidades na prestação de contas do ex-prefeito do Iranduba



1172309.JPG O ex-prefeito do município de Iranduba, Xinaik Medeiros (Foto: Jander Robson)
08/06/2017 às 10:51

O ex-prefeito do município de Iranduba, Xinaik Medeiros, teve as contas do exercício de 2013 reprovadas por unanimidade pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), na manhã de hoje. Xinaik terá que devolver aos cofres públicos mais de R$ 19 milhões em 30 dias.
 
Segundo o auditor-relator, conselheiro convocado Mário José Filho, foram encontradas 163 irregularidades na prestação de contas. Entre as impropriedades, estão superfaturamento de contratos e fraudes em licitações. O voto do relator pela desaprovação das contas foi acompanhado pelos demais conselheiros.
 
Xinaik poderá recorrer da decisão, mas o processo será encaminhado ao Ministério Público do Estado (MPE-AM) que deve instaurar ação para apurar improbidade administrativa.
 
Em 2015, Xinaik teve as contas do exercício de 2014 reprovadas e o condenou a devolver aos cofres públicos, um montante de R$ 21 milhões por mais de 50 irregularidades na prestação de contas, além de considerá-lo inabilitado por cinco anos para exercício de cargo de comissão ou função de confiança.
 
O ex-prefeito de Iranduba foi preso preventivamente em 10 de novembro de 2015 e o mandato cassado pela Câmara Municipal de Iranduba em 24 de fevereiro de 2016, é acusado de chefiar um esquema de fraudes em licitação da Prefeitura de Iranduba que levou ao desvio de R$ 56 milhões, descoberto com a deflagração da Operação Cauxi da Polícia Federal no final de 2015.




Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.