Publicidade
Cotidiano
Notícias

Ex-vereador é mantido refém com família em assalto à residência

Residência de Luiz Alberto Carijó, em um condomínio de luxo na Ponta Negra, em Manaus, foi invadida por cinco homens armados, que roubaram dinheiro e joias e fugiram no carro da vítima. Carijó, esposa e filhos foram amarrados 20/10/2014 às 12:41
Show 1
Casa do vereador Luiz Alberto Carijó, foi invadida durante a madrugada.
denir simplício Manaus (AM)

A casa do ex-vereador e ex-prefeito de Manaus Luiz Alberto Carijó (PDT), localizada no condomínio Itapuranga III, na avenida do Turismo, próximo a Ponta Negra, na Zona Norte de Manaus, foi assaltada na madrugada desta quinta-feira (16), quando cinco homens armados invadiram o local. Durante cerca de duas horas, o parlamentar e sua família ficaram sob a mira dos bandidos, que levaram dinheiro, joias e ainda usaram o veículo do parlamentar na fuga.

Segundo o relato de Carijó, como consta no Boletim de Ocorrência (B.O.) registrado, ele dormia em sua cama quando, por volta de 1h30, se deparou com os assaltantes já dentro do quarto. Cinco homens armados com revólveres calibre .38 fizeram o político, a mulher dele e os filhos de reféns enquanto procuravam por dinheiro nas dependências do imóvel. Os criminosos amarraram toda a família e os mantiveram presos dentro do cômodo.

Ainda de acordo com o B.O., os criminosos levaram R$ 7,5 mil em dinheiro e joias. Toda a ação durou cerca de duas horas e, para fugir do local do crime, os assaltantes utilizaram a picape modelo Hilux, de cor e placas não divulgadas, do próprio parlamentar. Horas depois, o veículo foi encontrado próximo ao condomínio onde ocorreu o assalto sem nenhum sinal de descaracterização.

Os responsáveis pela investigação não confirmam, mas moradores do local suspeitam que os assaltantes tenham chegado até a casa de Carijó depois de pular o muro que separa o condomínio da área verde que margeia o local.

O caso foi registrado no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e os agentes já solicitaram as imagens captadas tanto pelo Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), quanto do próprio condomínio, que possui segurança interna, para tentar identificar os criminosos. 

Publicidade
Publicidade