Publicidade
Cotidiano
Notícias

Famílias invadem 46 residências do programa Minha Casa, Minha Vida em Parintins

O novo comandante da PM, em Parintins, major Valadares, que esteve no bairro, disse que vai manter uma guarnição fazendo ronda até que a Prefeitura contorne a situação 22/01/2013 às 08:33
Show 1
Associações comunitárias em Parintins
JONAS SANTOS Parintins (AM)

Famílias de sem teto invadiram na noite dessa segunda-feira (21) 46 unidades do programa de Casas Populares, em Parintins, construídas pela Prefeitura. As residências foram levantadas no bairro Pascoal Alaggio, na Zona Oeste, da Ilha.

Polícias  Militares e representantes da Prefeitura estiveram na área ocupada para conversar com os invasores, que resistem a ocupação. “Nos reunimos hoje a tarde e decidimos ocupar. Não temos para onde ir e muitas famílias aqui também moram em casas alugadas. Nos informaram que aqui nesta área seria para a construção de um presídio”, disse o tricicleiro Manoel Santana, 47, um dos líderes do movimento.

O local onde as 46 casas foram construídas esta numa área que ainda não possui água encanada e nem energia elétrica. “Esperamos que o prefeito olhe pela gente”, disse a dona de casa Raimunda Elizane.

O novo comandante da PM, em Parintins, major Valadares, que esteve no bairro, disse que vai manter uma guarnição fazendo ronda até que a Prefeitura contorne a situação.

O secretário de Terras, Flávio Cardoso, informou que as residências são obras do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, como parte de um convênio firmado com o município, da ordem de R$ 5,2 milhões, para a construção de 262 unidades, mas somente as 46 ocupadas ainda foram edificadas. “Vamos apresentar a situação ao prefeito Alexandre (da Carbrás) e vamos tentar resolver a questão ”, afirmou o secretário.

As casas foram construídas na administração do ex-prefeito Bi Garcia(PSDB). Flávio disse também que a área onde as casas foram construídas está em processo de litígio judicial por causa de uma pendenga acentuada, no ano passado, entre o empresário Manoel Esteves,
que criou o loteamento, e a Prefeitura.

 

Publicidade
Publicidade