Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019
ATIVIDADES

FAS desenvolve ações de conscientização e cidadania na Resex do Rio Gregório

Uma das 42 UCs estaduais de mais difícil acesso no Amazonas recebeu oficinas sobre mudanças climáticas na semana passada durante o 2º Encontro de Jovens da região



fas.JPG Comunitários participam de atividades sobre a questão ambiental (Foto: Divulgação)
18/07/2017 às 09:44

Moradores da Reserva Extrativista (Resex) do Rio Gregório, zona rural do Município de Eirunepé (a 725 quilômetros de Manaus), participaram de atividades de mobilização para a conservação florestal e acesso aos direitos da criança e do adolescente neste mês.

 Uma das 42 Unidades de Conservação (UCs) estaduais de mais difícil acesso no Amazonas recebeu oficinas sobre mudanças climáticas na semana passada durante o 2º Encontro de Jovens da região. No total, as ações mobilizaram 170 famílias, residentes em 27 localidades isoladas.



Localizada entre Ipixuna e Eirunepé, extremo sudoeste do Amazonas, a Resex tem seus 427 mil hectares marcados pela conservação da biodiversidade: quase intocada, a vegetação abriga espécies que só existem naquela região, como o macaco-bigodeiro (Saguinus fuscicollis melanoleucus) e o macaco-parauacu (Saguinus imperator subgriscenses).

Segundo o coordenador da Regional Juruá-Jutaí da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), Marcelo Castro, um dos principais fatores pelos quais a reserva mantém 99,2% de sua floresta preservada (dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) é também o maior desafio para quem vive ali: a dificuldade de acesso.

“A comunidade Mochila é mais facilmente acessada via o Estado do Acre, são três horas de carro pela BR-364, em péssimas condições, de Cruzeiro do Sul a Vila São Vicente em Tarauacá (ponte do rio Gregório), mais sete horas descendo o Rio Gregório, em um canoão com motor rabeta, até chegarmos à comunidade”, relatou.

As atividades abrangem cerca de 170 famílias que moram em comunidades espalhadas em toda a reserva. Descendentes dos seringueiros que ocuparam o rio durante o período da borracha, os moradores da Resex hoje trabalham em cadeias de produtos da floresta, apoiadas  por projetos como o Programa Bolsa Floresta (PBF), liderados pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e financiados pelo Fundo Amazônia/BNDES com apoio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

Alternativa

Farinha, pesca e roçados são algumas das cadeias produtivas desenvolvidas pelos moradores, que desde a criação da reserva, em 2010, assinaram um termo de compromisso de gerar renda sem derrubar a floresta. Com o objetivo de entender as demandas e apoiar o desenvolvimento dessas pessoas, a FAS e Sema realizaram este mês diversas oficinas na comunidade de Mochila.

Os moradores discutiram alternativas e investimentos para desenvolver a produção na região, elegendo a cadeia produtiva da farinha como prioridade para investimentos. A partir da decisão participativa, a previsão de entrega  de infraestrutura de 18 casas de farinha higienizadas. A partir dessas discussões, foram realizadas oficinas que ‘empoderaram’ os comunitários da Reserva sobre mudanças climáticas, serviços ambiental e logística.

“A decisão dos comunitários em investir em infraestrutura e tecnologia de melhoria de produção e qualidade da farinha diminui a pressão por áreas de cultivo, e agrega maior valor ao produto. A farinha aqui é importante para reduzir desmatamento e valorizar a floresta em pé”, explicou Marcelo

Troca de experiências

A reunião dos moradores na comunidade Mochila também foi uma oportunidade para trocar ideias sobre o futuro da região.  O 2º Encontro de Jovens da Resex do Rio Gregório, evento organizado pelo programa Desenvolvimento Integral de Crianças e Adolescentes Ribeirinhos do Amazonas (DICARA), aconteceu simultaneamente e contou com a presença de 94 jovens que representaram  14 comunidades.

Com idades entre 8 e 18 anos, os participantes foram estimulados a sonhar com suas comunidades no futuro e desenvolver suas habilidades de comunicação para serem protagonistas locais. O evento buscou estimular os jovens a sonhar com suas comunidades no futuro; desenvolver as habilidades de comunicação e oralidade dos participantes; e formar grupos de jovens nas comunidades da RESEX do Rio Gregório.

Pacto

"A Oficina Monitoramento Ambiental da FAS e Sema busca sensibilizar sobre as consequências do desmatamento e queimada, e apresenta os dados de desmatamento e focos de calor da Amazônia, do Amazonas e da UC entre 2010 e 2016. A principal forma de se evitar o desmatamento a degradação na reserva foi pactuada com a aquisição de novas tecnologias para as roças e, principalmente, a implementação da técnica de aceiros." Valcleia Solidade, coordenadora-geral do Programa Bolsa Floresta.

“Nossa associação de comunitários nunca conseguiu fazer uma reunião com representantes de tantas comunidades. Esses eventos e o apoio da Fundação foram essenciais para definirmos juntos como podemos crescer”, afirma Valcenir Marques, presidente da associação de moradores da Reserva .

Segundo ele, a definição conjunta da farinha como cadeia prioritária foi um passo essencial para o crescimento de todos.

“Acredito que as casas de farinha bem equipadas vão melhorar a qualidade da nossa farinha, além de produzirmos com mais. Com certeza vai gerar renda e fortalecer a gente da Reserva.”


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.