Publicidade
Cotidiano
TURISMO

Feriados prolongados deverão impulsionar a economia em 2017, diz governo

Na contramão de setores como comércio e indústria, que projetam prejuízos com feriados, o Ministério do Turismo acredita em geração de renda e emprego 12/01/2017 às 09:37
Show 000000 0
(Fernando Frazão/Agência Brasil)
Mariana Tokarnia (Agência Brasil) Brasília (DF)

Os dias de folga no Brasil em 2017 poderão impulsionar a economia brasileira, segundo estudo do Ministério do Turismo. A pasta espera que as viagens nos fins de semana prolongados por feriados que caem na segunda, terça, quinta ou sexta-feira injetem R$ 21 bilhões a mais na economia em 2017. A projeção divulgada hoje (12) considerou um acréscimo de 22 dias de folga, quando 10,5 milhões de viagens deverão ser feitas.

Na contramão de outros setores que projetam prejuízos com os feriados, como o comércio e a indústria, o Ministério do Turismo acredita que as viagens e o consumo nos dias de folga gerarão renda e emprego. O turismo, de acordo com o Conselho Empresarial de Hospitalidade e Turismo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), é grande impulsionador de mais 52 áreas, direta ou indiretamente.

O feriado que deve gerar maior impacto no turismo brasileiro em 2017 é o Dia de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro, também Dia das Crianças, que vai cair numa quinta-feira. Segundo o Ministério do Turismo, nesta data 1,94 milhão de viagens movimentarão R$ 3,9 bilhões na economia.

O levantamento foi feito pelo Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Getulio Vargas, levando em consideração os feriados de 21 de abril (Tiradentes, sexta-feira), 1º de maio (Dia do Trabalho, segunda-feira), 15 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, quinta-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, quinta-feira) e 2 de novembro (Finados, quinta-feira).

O Carnaval, a Semana Santa, o Natal e Réveillon foram desconsiderados, porque em via de regra geram fins de semana prolongados e a ideia da projeção foi levantar qual o valor a ser acrescentado na movimentação econômica nacional em 2017.

Publicidade
Publicidade