Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020
Notícias

Festival de Parintins contado por coronel da FAB

No ano do centenário, nova edição de "Brincando de Boi em Parintins" chega às livrarias



1.jpg Coronel Suzano quer mostrar Parintins a todos
10/08/2013 às 11:23

Em missão pela Força Aérea Brasileira (FAB), o coronel Suzano, um “carioca de verdade”, como ele fala, pode conhecer o Festival Folclórico de Parintins e a sua gente. Definitivamente encantado com o que encontrou na “ilha mágica”, o militar adaptou o seu relatório técnico e virou escritor. Em 2009 foi lançado o livro “Brincando de boi em Parintins”. Agora, em 2013, a nova edição está mais rica, com mais capítulos e sempre mantendo todos os holofotes nos artistas locais.

Uma homenagem ao centenário e um capítulo sobre o cantor Arlindo Júnior são as novidades dessa edição que, apesar de mais capítulos, tem 141 páginas - 30 a menos que a primeira. “O texto está mais objetivo e o capítulo sobre a força aérea diminuiu bastante, achei melhor cortar a parte técnica”, explica o escritor segurando sua obra e já fazendo planos para o futuro: “Em 2014 pretendo ter o livro traduzido para outros idiomas, de preferência inglês e espanhol”.



Antes do desejo de mostrar Parintins para o mundo, o coronel quer mostrar Parintins para os amazonenses. “Sou carioca e as grandes personalidades lá da minha terra eu conheço. Estou no Amazonas desde 1996 e sei que por aqui poucos conhecem a obra de artistas como esse”, diz o coronel apontando para a imagem do Jair Mendes, que abre o capítulo 9. “Esse moço foi quem deu o primeiro movimento à cabeça do boi. Ele é capaz de fazer isso tudo que engenheiros ficam desesperados para descobrir como ele faz com tanta perfeição. Joãozinho trinta e outros ‘bambambans’ das escolas de samba do Rio de Janeiro também ficam perplexos com a habilidade dele”, enfatiza.

Chico da Silva, David Assayag, Arlindo Junior, Fred Góes, Thiago de Mello, Badu e outros nomes são destaque nas páginas do “Brincando de Boi em Parintins”. Para Juarez Lima, que também é citado no livro, o Coronel Suzano contribui para registrar uma parte da cidade. “Parabenizo o coronel por ele ter feito um trabalho de resgate da nossa história. Mostrou essa cultura que transformou a economia de Parintins. Ele se lembrou dos fundadores, pescadores, poetas. Deu abertura no livro dele que pouco se vê em outros livros”, comenta, agradecido, o artista plástico.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.