Publicidade
Cotidiano
NOMEAÇÃO

Filho do general Mourão é nomeado a alto cargo no BB com salário de R$ 36 mil

Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente da República, é empregado do Banco do Brasil há 18 anos. A nomeação causou polêmica 09/01/2019 às 10:08
Show 98 294424f8 3e20 4270 b6d4 b37b59950f7c
Foto: Reuters
Reuters

A nomeação do filho do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, para ser assessor do presidente-executivo do Banco do Brasil foi defendida nesta terça-feira (8) tanto pelo novo mandatário do banco, Rubem Novaes, quanto pelo próprio pai do executivo, em meio à polêmica dentro e fora da instituição.

Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do general, foi nomeado na véspera para ser assessor especial da presidência, no gabinete de Rubem Novaes. O novo assessor é empregado do BB há 18 anos e trabalhava há 11 anos como assessor empresarial na diretoria de Agronegócio do banco. Com a mudança, o executivo terá o salário triplicado para cerca de R$ 36 mil por mês.

Segundo uma fonte familiarizada com o banco, Antonio Mourão participou dos trabalhos de transição no comando do banco e teria chamado a atenção de Novaes por sua competência e inteligência.

A nomeação causou insatisfação entre funcionários do BB, porque pode enviar um sinal de ingerência política no comando da instituição. Em nota, o banco afirmou que o cargo de assessor “é de livre provimento da presidência do BB e a nomeação atende aos critérios previstos em normas internas e no estatuto do banco”.

Também em nota, Novaes acrescentou que o assessor indicado “é de minha absoluta confiança. Foi escolhido para minha assessoria e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco.”

Já o vice-presidente Hamilton Mourão argumentou que seu filho foi escolhido por seus “excelentes serviços, conduta irrepreensível e por absoluta confiança pessoal do presidente do banco”. E acrescentou: “Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados”.

Publicidade
Publicidade